IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Biografias – Gente da Vila
Rio, 5/11/2011
 

Coeli da Silva Ribeiro, a “Céli”

Coeli da Silva Ribeiro, a “Céli”, é filha de Paulino e Maria Isabel, me-todistas de Porto Novo do Cunha, próximo de Além Paraíba, MG. Foi a 7ª de um total de 8 filhos, a saber: Hormene, Leone, Éder, Éber, Jader, Paulino, Coeli e Cleiton. Todos nascidos em Porto Novo do Cunha.

Em 1939 a família muda-se para a cidade do Rio de Janeiro. Primeiro moraram no bairro do Engenho de Dentro e mais tarde foram para Vila Isabel. Foi assim que tomaram contato com a Igreja Metodista de Vila Isabel e passaram a fazer parte dela. “Cheguei em Vila Isabel bem criancinha. A irmã Dalva Gonçalves me conheceu ainda bem menina, usando camisolinha. Eu me lembro nitidamente da Dona Margarida Amaral, esposa do Rev. Augusto do Amaral. Ela era a professora da classe de crianças na Escola Dominical, onde comecei a frequentar. Ela nos ensinava a Bíblia e muitos corinhos. Desde então nunca deixei a minha igreja. Meu sonho era morar numa casa de vila ao lado da Igreja”, conta a Coeli.

Coeli e seus irmãos foram batizados e criados na Igreja. Com o tempo os 5 irmãos do sexo masculino foram assumindo as rédeas da própria vida e não eram muito de frequentar a Igreja; vinham basicamente em dias de programas especiais e festas. Mas Coeli ao lado das irmãs Leone e Hormene eram assíduas. Leone e Hormene tornaram-se membros da Igreja e participavam dela assiduamente, gostando muito da Escola Dominical e da Sociedade de Mulheres. A Coeli pautava sua vida pela Palavra de Deus, amava a Igreja de Vila Isabel, participava ativamente dos cultos matutinos dominicais, sempre contribuía com seu dízimo, mas só assumiu os votos de membro da Igreja em 20 de setembro de 2009. “Faz tanto tempo que participo dessa igreja e contribuo e tomo a Ceia que eu levei um susto quando o pastor Ronan me procurou perguntando se eu queria ser membro da Igreja. Tomei um susto porque eu pensava que era membro da Igreja. Mas os pastores me atenderam carinhosamente e formalizei minha pertença à Igreja. E assim, quase 70 anos após ser batizada quando criança aqui na Igreja eu tive a alegria de confirmar o pacto batismal, de fazer a minha pública profissão de fé.”

Por quase 70 anos Leone, Hormene e Coele vinham juntas à Igreja da Vila Isabel. Mas isso mudou. Em novembro de 2006 a Leone partiu para o Senhor e em março de 2009 quem foi para o Senhor foi a Hormene.

Coeli formou-se em jornalismo, e nessa função trabalhou no Jornal Tribuna da Impren-sa e depois na Petrobras, por 25 anos, onde se aposentou. Mas seu trabalho ali possibilitou que ela viajasse pelo mundo inteiro. “Tive o privilégio de viajar muito. Conheci o Brasil do Oiapoque ao Chuí. Conheci toda a Europa. Conheço toda a América Latina, exceto a Guiana e a Venezuela. Deus foi sempre muito bom para mim”.

Há alguns anos foi acometida por um câncer. Fez cirurgia e tratamento. Ficou curada. E atribui isso às orações de toda a igreja e à misericórdia de Deus.

Hoje enfrenta outro problema que a entristece muito: perdeu boa parte da visão. Ope-rou uma vista e infelizmente não teve resultado. Acha que ficou pior do que antes. Tam-bém passou por 2 transplantes de córneas e infelizmente também não teve sucesso. “Meu médico cometeu um erro médico comigo”, lamenta a Coeli. “Para mim, não existe nada pior que a cegueira. Nem o câncer, aquela doença que me causou tanta apreensão e medo, me entristeceu tanto quando o que experimento agora.”

Coeli não perdeu a esperança de voltar a enxergar novamente. Recentemente foi ao Hospital dos Olhos de Sorocaba, mas voltou de lá frustrada. A propaganda não corres-pondeu à realidade, infelizmente. Mas amo tanto a nossa Igreja que nem mesmo as limita-ções da visão e a falta de companhia me impedem de estar aqui todo domingo de manhã revendo meus irmãos e irmãs e prestando o culto ao meu Senhor e Salvador. Minha relação com Deus é a de uma filha muito amada. Confio muito em Deus. Se não fosse o Senhor ao meu lado, já teria perecido!”

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.