IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Biografias – Pastores(as) Metodistas
Rio, 21/4/2007
 

Alexander Duncan Reily

Reverendo Duncan: um referencial da Igreja Metodista (*)

Fernando Santana – publicada no AVANTE de novembro de 2003, quando ainda vivia entre nós o Rev. Duncan.


Há precisamente 55 anos, a Igreja Metodista brasileira desfruta da lealdade, compromisso e dedicação do reverendo Duncan Alexander Reily. Desde quando desembarcou no país, no dia 20 de abril de 1948, após ter terminado seu mestrado em Teologia pela Memory Univesity, no Estado de Mississipi, onde também nascera, reverendo Duncan tem sido incansável na sua missão de difundir a Palavra de Deus. Hoje, aos 79 anos, com a mesma alegria e entusiasmo de sempre, mesmo vivendo com um câncer, ele só lista as vitórias e experiências, que tem tido no Brasil. "O Evangelho não nos garante que não vamos sofrer. Eu sou convicto de que Deus nos ama, mas Ele não nos evita de todos os males. Tenho esperança de vencer. Não acho que Ele tenha feito qualquer injustiça, pelo contrário, sinto a presença Dele na minha vida”.

Reverendo Duncan foi o primeiro membro e, em seguida, presidente do Conselho Diretor do Colégio Piracicabano. Foi secretário da Junta de Missões e Evangelismo no Brasil por aproximadamente oito anos, onde deu grande contribuição para ampliação das atividades da Igreja Metodista, que na época, desbravou o recém-criado Distrito Federal e algumas regiões do Nordeste. Dentre outras igrejas, foi pastor em Ponta Porá (MS), no Rio Grande do Sul, pastor distrital da Baixada Santista, em São Bernardo do Campo, Pindamonhangaba, Guaratinguetá, Rio Preto e em Vila Mariana, em São Paulo - a igreja que mais marcou seu ministério. “Esse foi um dos meus pastorados mais abençoados e mais custosos. Um povo que queria trabalhar, uma igreja que estava crescendo, que tinha inspiração para dirigir e amizade. Essa marcou mais".

Reverendo Duncan também é conceituado por sua contribuição no ensino metodista. Ele é autor de alguns livros. Os mais conhecidos são Metodismo Brasileiro e Wesleyano e Ministérios Femininos numa Perspectiva histórica. A mais importante obra do autor é história do Protestantismo no Brasil, que está indo para a terceira edição. Trata-se de uma espécie de documento sobre o protestantismo no Brasil. Segundo o autor, esse livro trouxe uma maneira diferente de escrever a história. "Cada parágrafo é um documento e um comentário, o que dá uma oportunidade de evitar muitos erros. Esse livro é uma tentativa de contar a história de todas as principais denominações no Brasil", explica.

A Chamada para o Brasil
"Tive o privilégio de ter colegas na universidade, que tinham ligações com o Brasil como o missionário Welber Smith e Sady Machado, que era pastor no Brasil naquele tempo. Eu e Sady, especialmente, nos tornamos grandes amigos e ele ajudou-me a descobrir qual era a vontade de Deus para minha vida. O que o Sady me contava era muito importante, porque uma das coisas que eu realmente queria, era ser um proclamador do Evangelho. Quando eu fiz contato com a Junta de Missões, que fica em Nova York, falei do meu desejo de ser missionário no Brasil, e eles concordaram. A Junta de Missões precisava de mais missionários no Brasil", ressalta.

Naquela ocasião, a Junta de Missões queria que ele viesse ao Brasil trabalhar em um colégio do Rio Grande do Sul, mas ele hesitou. "Eu quero ser missionário no Brasil, mas não quero trabalhar em colégio. Não sou educador, sou pregador. Mas acabei trabalhando muito mais na Faculdade de Teologia do que propriamente no pastorado".

A primeira mensagem no Brasil
Seis meses depois de ter chegado ao país, reverendo Duncan foi surpreendido quando disseram, que ele seria o pregador em um culto num ponto de pregação do Rio Grande do Sul. "Eu já falava um pouco de português, pois havia estudado a língua por quase seis meses nos EUA, mas claro que não falava bem. Fui mais ou menos enganado por Will Hoders", brinca. "Quase me forçaram a pregar, não tinha nem preparado um sermão. A pregação foi bastante curta, uma introdução em questão de pregação e, no entanto, isso marcou a minha vida, porque foi uma experiência prática, uma aventura para mim", diz.

Reverendo Duncan é casado com Phyllis Louise Gifford há 51 anos. Ela é de Denver, Colorado, e chegou ao Brasil em 1950. "Eu a vi pela primeira vez aqui no país e gostei dela. Ela trabalhava em Piracicaba, no Jardim da Infância, e isso não fica muito longe de Rio Preto, onde eu era pastor. Tinha muitas razões para estar lá no colégio, e aproveitava essas ocasiões também para namorá-la. Nos casamos na Igreja Metodista de Piracicaba em 1952. Ela sempre esteve ao meu lado, trabalhando na igreja, especialmente com as crianças, organizando escolas bíblicas de férias e até hoje trabalha na produção de literatura para a Escola Dominical. Sem ela, o meu ministério seria muito menos significativo".

300 anos de John Wesley
Nas comemorações dos 300 anos de nascimento de John Wesley, reverendo Duncan, que também é doutor em história eclesiástica, foi bastante lembrado. No congresso de homens, que aconteceu no Espírito Santo, foi estabelecida a Seção Brasileira da História do Metodismo Mundial, e ele foi eleito presidente de honra dessa seção. Na Faculdade de Teologia em Piracicaba, foi inaugurado um setor de Estudos Wesleyanos, que leva o seu nome.

Atualmente, o reverendo está terminando uma biografia de Suzana Wesley. "A minha tentativa é contar um pouco sobre Suzana como a mulher que merece ser conhecida por causa do que ela era. Em seus anos finais, ela era uma das líderes do Movimento Metodista, e durante sua vida mostrou-se uma pensadora, uma teóloga e uma mãe exemplar. Espero terminar essa obra até o final do ano” disse.

(*)Duncan Alexander Reily, um referencial da Igreja (1924 – 2004) - Após sua morte foi escrito no Avante:

Por 56 anos, a Igreja Metodista brasileira pôde desfrutar da lealdade, compromisso e dedicação do reverendo Duncan Alexander Reily. Desde quando desembarcou no país, no dia 20 de abril de 1948, após ter terminado seu mestrado em Teologia pela Memory Univesity, no Estado de Mississipi, onde também nascera, reverendo Duncan foi incansável na sua missão de difundir a Palavra de Deus. Com a mesma alegria e entusiasmo de sempre, mesmo enquanto viveu com um câncer, ele só listou vitórias e experiências importantes no Brasil.

Reverendo Duncan foi o primeiro membro e, em seguida, presidente do Conselho Diretor do Colégio Piracicabano. Foi secretário da Junta de Missões e Evangelismo no Brasil por aproximadamente oito anos, onde deu grande contribuição para ampliação das atividades da Igreja Metodista, que na época, desbravou o recém-criado Distrito Federal e algumas regiões do Nordeste. Dentre outras igrejas, foi pastor em Ponta Porá (MS), no Rio Grande do Sul, pastor distrital da Baixada Santista, em São Bernardo do Campo, Pindamonhangaba, Guaratinguetá, Rio Preto e em Vila Mariana, em São Paulo - a igreja que mais marcou seu ministério. Reverendo Duncan também é conceituado por sua contribuição no ensino metodista. Ele é autor de alguns livros. Os mais conhecidos são Metodismo Brasileiro e Wesleyano e Ministérios Femininos numa Perspectiva histórica. Mais recentemente, já doente, as horas em que se sentia bem dedicava à biografia de Susana Wesley. Duncan praticamente concluiu a obra, que deverá ser revisada e aperfeiçoada para edição por uma de suas filhas.

Nas comemorações dos 300 anos de nascimento de John Wesley, reverendo Duncan, que também é doutor em história eclesiástica, foi bastante lembrado. No congresso de homens, que aconteceu no Espírito Santo, foi estabelecida a Seção Brasileira da História do Metodismo Mundial, e ele foi eleito presidente de honra dessa seção. Na Faculdade de Teologia em Piracicaba, foi inaugurado um setor de Estudos Wesleyanos, que leva o seu nome. Duncan era casado com Phillis Reily , com quem teve os filhos Scot, Célia, Lúcia, Suzel e Janete.

(*) O Rev. Reily veio a falecer alguns anos após a publicação da sua História Viva no Jornal Avante.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.