IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Discipulado
Rio, 30/7/2008
 

Princípios de Ministério: discípulos conforme o coração de Jesus

Bispo Paulo Lockmann


 

1. Jesus é o nosso modelo. Paulo disse: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo.” (Fl 2.5). Em seguida o descreveu.

2. O alvo de nosso ministério é apresentar todo ser humano perfeito em Cristo. (Cf. Cl 1.28). Toda a atividade deve ser baseada neste objetivo.

3. Um ensino que relaciona princípios da vida diária com a Bíblia fundamenta todos os nossos esforços para conduzir homens e mulheres à maturidade. (Cf. II Tm 3.14; 4.2; At 20.17 a 32; Jo 21.15-17). Enfim toda a Igreja. (Cf. Cl 3.16-17).

4. O objetivo básico na instrução bíblica é Cristo em vós, é a esperança da glória (Cf. Cl 1.27), isto é o princípio de um indiscutível, apropriado Senhor, que vive a vida dEle em nós. Como também conhecer o que significa a missão de Jesus, e, por conseguinte, a nossa. (Cf. Jo 5.39; Lc 24.26-27).

5. Um princípio básico para qualquer ministério é a confiança. É pela fé que o trabalho de Deus é realizado (Cf. Hb 11). Não é só planejando, organizando, ou pelo esforço pessoal. É importante planejar, organizar, mas devemos ser flexíveis, fáceis de ser influenciados pelo Espírito Santo (Cf. I Co 2.4-5). A direção de um ministério é a força com que ele cresce, é uma prerrogativa do Espírito Santo (Cf. Cl 1.28-29; II Co 3.40). Onde as Escrituras falam sobre ordem na Igreja, devemos obedecer. Nas outras áreas estamos livres de restrições. Aprendam a distinguir Escrituras de tradições (Cf. Mc 7. 11-13). Isto não é descrer na Inspiração da Bíblia como um todo, é sim, não ser fundamentalista e legalista.

6. A Grande Comissão é uma ordem para fazer discípulos. Para alcançar este objetivo devemos seguir o Plano do Mestre - Mt 28. 16-20:
a) Seleção – Pessoas eram seu método (Cf. Lc 6.13). Sua estratégia era escolher um pequeno grupo para treinamento intensivo. Jesus pregava para as massas, mas Ele se concentrou em doze (Cf. Jo 17.6,9,17). Bases da escolha – II Tm 2.2 e Lc 6.12,13.
b) Ele escolheu doze para ficarem com Ele – Jo 15. 27; Mt 4.19.
c) Instrução – Ele ensinou e treinou os doze. Eles sempre estavam em aula – Mt 5.1; 10.5; 11.1.
d) Demonstração – Ele demonstrou aos doze o como (Jo 13.15). Sua autoridade se baseou na Sua obediência aos princípios que ensinava - I Tim 4.12.
e) Delegação – Ele lhes deu responsabilidade: Mt 10, Lc 10. Amando seus discípulos, Ele os liderou.
f) Supervisão – Ele acompanhava o trabalho com relatórios, exames e a aplicação – Lc 10.17-20
g) Reprodução – Ele esperou que eles discipulassem da mesma forma que foram discipulados – Jo 15.16; II Tm 2.2.

7. Homens e mulheres dotados de dons espirituais são dados à Igreja, afim de aperfeiçoar os santos para a obra do ministério (Cf. Ef 4.11-16). Líderes espirituais, em qualquer grupo, são como treinadores que têm como seu principal propósito o treinamento e o alistamento de indivíduos no ministério. “Não roube os santos, fazendo o trabalho do ministério enquanto eles o aplaudem.” Sim, porque é uma bênção para os ministérios serem usados por Deus, não tire deles esta bênção. Pelo contrário: desafie, provoque os ministros/as para que frutifiquem.

8. Somos um Corpo. Sendo assim, temos que reconhecer as dificuldades de um corpo.

CARACTERÍSTICAS:
a) Todo o membro tem uma função específica. Ele não pode depreciar seu lugar no corpo ou a função de outro membro. (Cf. I Co 12.4, 8 e 21).
b) Membro algum desempenha todas as funções no corpo.( Cf. I Co 12.17).
c) Todos os membros de um corpo são interdependentes. (Cf. I Co 12.26).


IMPLICAÇÕES:

a) Precisamos um do outro. Ninguém pode produzir efetivamente sozinho. Os melhores ministérios são os de equipe. Cerquem-se de homens que possuam dons espirituais variados. (Cf. At 6.3-6).
b) É errado insistir que alguém siga apenas um só pessoa. As pessoas necessitam serem expostas a diversos membros do corpo. (Cf. I Co 1.12-17).
c) Um dos principais empenhos de nosso ministério é ajudar os outros a encontrarem e desenvolverem seus dons espirituais, e praticá-los com todo coração. (Cf. I Ts 1.6-8; Fl 2.12-16; I Tm 4.15-16).

9. Tamanho não iguala sucesso. Deus sempre perpetua a fé através de um vestígio. Não conte cabeça, opere na base de princípios bíblicos, e Deus fará o trabalho (Cf. At 2. 47). Se você está alimentando seu povo, não haverá necessidade de perder tempo com truques promocionais.

10. Ore por pessoas como o Gadareno endemoninhado (Cf. Mc 5. 1-20). Observe este homem, pessoas toda uma região. Sabemos que Jesus passou apenas umas poucas horas ali.

11. Confronte as pessoas fortemente. Os homens e mulheres de Deus saltarão. Fale a verdade em amor; não tema em confrontar as pessoas, elas não lhe fugirão. Os homens e mulheres de Deus aceitarão a verdade. (Cf. II Co 2.15-16).

12. Há certos princípios básicos que se repetem por toda a Bíblia. Domine estes princípios constantemente. (Cf. I Pe 1.14-16).

13. II Tm 2.24-26 é o padrão de procedimento.

14. Exalte o ministério dos outros. Porque não ficarmos empolgados com o trabalho de outros, assim como ficamos com o nosso próprio?

15. O corpo de Cristo não é uma hierarquia. Temos somente um Senhor, todos os outros são irmãos. A nossa autoridade provém da nossa obediência à verdade. Observe nestes versículos as características de líder espiritual: Hb 13.7-17; I Ts 2.1-20; At 20.17-38. Observe particularmente Marcos 10. 35-45. Os grandes líderes sabem servir.

16. A colheita está no final do tempo, não no final da reunião. O desânimo nasce de esperanças irrealizáveis. A semente não cresce logo após o plantio. Deixe Deus trazê-la a maturidade, a seu tempo, e ela crescerá além das expectativas que temos. (Cf. Gl 6. 7-10).

17. Tenha cuidado com você mesmo (Cf. ITm 4. 16). O cultivo de sua própria vida espiritual é sua primeira prioridade.

18. Encoraje o povo a ler bons livros cristãos. Veja o exemplo de Wesley. (Cf. IITm 4.13).

19. A chave para o discipulado eficaz é fazer com que o Corpo funcione conforme os desígnios de Deus (Cf. Jo 17.20,21; Ef 4.16).

20. Teremos sempre a falta de liderança. Se você está procurando líderes, comece exatamente por onde Jesus começou. Orando! (Cf. Mt 9. 37-38; Tt 1.5-9).

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.