IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Pentecostes
Rio, 17/6/2009
 

Pentecostes como Promessa

Bispo Paulo Lockmann


 

“Porque derramarei água sobre o sedento, e torrentes sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade, e a minha bênção, sobre os teus descendentes; e brotarão como a erva, como salgueiros junto às correntes das águas” (Is 44.3-5)

Isaías: promessa e herança de Deus
Deus dá esta promessa a Isaías e ao povo de Deus que estava no cativeiro, o capítulo 40 de Isaías que abre a unidade de nosso texto fala: “Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus” (Is 40.1). Deus estava trazendo à memória de todos eles o que ocorrera na criação (Gn 1.1). E somente Deus pelo seu Espírito podia trazê-los do cativeiro, podia dar-lhes salvação e vida nova, e abençoar suas famílias, fazer santos seus descendentes: “Um dirá: Eu sou do Senhor”.

Vivemos o drama de ver os jovens seduzidos pelo sexo, pelas drogas, pelo consumismo; centenas deles estão tendo suas vidas ceifadas nas ruas de nossas cidades. Temos ganhado muitos, mas centenas são mortos e lançados no inferno. A promessa e herança de Deus ao seu povo é de derramamento do Espírito a um povo no cativeiro. Deus os trouxe de volta! Isso ele está desejando voltar a fazer. Oremos para que, no domingo, 31 de maio, haja de novo um Pentecostes entre nós.

Ezequiel: restauração que só o Espírito dá.
Ezequiel 36.22-37.14 traz um juízo e um chamado. Juízo, porque Israel havia se corrompido, se prostituído, e abandonado a Palavra de Deus, deixado a santidade de Deus.

Mas qual era o pensamento de Deus acerca deles: “Tomar-vos-ei de entre as nações, e vos congregarei de todos os países, e vos trarei para a vossa terra. Então, aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei. Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis” (Ez 36.24-27). Sim, restauração e vida nova, santificada, cheia do Espírito, pois só assim eles andariam nos estatutos de Deus, e guardariam os seus juízos.

Precisamos reconhecer, humildemente, que falta santidade na vida do nosso povo, do mais jovem aos mais idosos, dos crentes novos aos líderes de ministérios da igreja; isso inclui também nós, pastores e pastoras. Santidade não é opção, é exigência de Deus; recordemos o que determinou Deus a Josué: “Disse Josué ao povo: Santificai-vos, porque amanhã o SENHOR fará maravilhas no meio de vós” (Js 3.5). Sem a visitação do Espírito, não há poder espiritual, não há sinais e maravilhas, não há conversões.

Ezequiel 36.27 é a promessa da dádiva do Espírito sobre o povo. Este texto não pode ser lido sem Ezequiel 37.1-14, porque ali está descrito o que o Espírito faz quando vem sobre os seus servos, sobre a Igreja. “Veio sobre mim a mão do Senhor e me levou...” (Ez 37.1).
Todos queremos a mão do Senhor sobre nós, mas, antes, devemos estar com “as mãos puras e o coração limpo” (Sl 24.4), porque senão a mão de Deus será de disciplina, juízo e condenação. Tenhamos temor de Deus. No caso, o profeta estava em terra estranha, exilado com o povo de Israel na Babilônia; ele que era sacerdote e profeta, aspirava e alimentava entre o povo a esperança pelo retorno. Mas este ocorreria por conversão: “...tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne...” (Ez 36.26). Pela purificação do batismo: “...aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados de toda a vossa imundícia...” (Ez 36.25). Mas tudo será feito pelo poder do Espírito: “Porei dentro de vós o meu Espírito...” (Ez 36.27).

Atentos à visão de Deus
Uma frase que me impressiona no Evangelho é: “...os filhos das trevas são mais sábios que os filhos da luz.” (Lc 16.8). Ouvi que a Coca-cola, maior empresa de refrigerantes do mundo, tem uma visão: “Pôr um copo de coca-cola por dia na mão de cada habitante do planeta até 2015”. Serão 6 bilhões de copos de coca-cola por dia. Impossível? Certamente que não, eles acreditam nisso, criam estímulos e buscam oportunidades para concretizar essa visão.

Ezequiel teve uma visão dada por Deus, nada estimulante: era um vale de ossos secos (em nossa linguagem de hoje só serviria para adubo). Certamente cheirava mal, igual a Lázaro, quando Jesus o ressuscitou (Jo 11.39). Ezequiel acabou vendo esses ossos transformados num: “...exército sobremodo numeroso...” (Ez 37.10).
Para isso, para ver o impossível, precisou das seguintes condições:

a) “...me levou pelo Espírito do Senhor...” (Ez 37.1).
Temos todos os dias a possibilidade de escolher: se vamos nos deixar levar pelo que os outros dizem, ou pela vaidade dos nossos próprios pensamentos, ou pelo mover do Espírito do Senhor. Foi isso que Ezequiel fez!

Paulo, escrevendo aos Romanos, diz: “Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz. Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus” (Rm 8.6-8). Mas, se aceitarmos e buscarmos, como Ezequiel e Paulo, a direção do Espírito, a promessa é: “Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita” (Rm 8.11).

b) “...Filho do Homem, acaso poderão reviver estes ossos? ...Senhor tu o sabes” (Ez 37.3).
Diante do vale desolador de ossos secos, ou das impossibilidades que os homens nos colocam, pensamos na carne, nas possibilidades dela e desanimamos. Dizemos: “Senhor, manda buscar um caminhão, e vamos enviar estes ossos para a fábrica de adubo, é a única coisa que se pode fazer com estes ossos”. Não foi isso que Ezequiel respondeu. Ele creu e viu as possibilidades de Deus, mais que as impossibilidades do homem. “Senhor tu o sabes.” Sim, Deus sabe, e Deus pode, porque ele é PODER!

c) “Profetiza a esses ossos... Ossos secos, ouvi a Palavra do Senhor.”
Só estamos meditando neste texto cerca de 2.500 anos depois da existência de Ezequiel e suas visões junto ao rio Quebar, porque ele creu nas visões de Deus, e na Palavra do Senhor. Nosso maior problema hoje na Igreja e no mundo é a incredulidade; a síndrome de Tomé está no nosso meio. De sã consciência, quem seria capaz de dirigir a palavra e pregar para ossos secos? Invariavelmente, seria classificado de louco, sonhar com um exército numeroso de nascidos de novo, é sujeitar-se a ser chamado de megalomaníaco.
Honestamente, não era nada racional o que Deus determinou a Ezequiel; era andar pela fé, para ver o sobrenatural de Deus acontecer. A chave foi: “Então profetizei como me ordenara” (Ez 37.7). Obediência a Deus, e a suas ordenanças; sem ela, nada acontece. A chave da obediência gerou: “enquanto eu profetizava”. Nada acontece sem que nós cumpramos as ordenanças de Deus; o impossível se torna carne, se obedecemos o Deus que “traz à existência as coisas que não existem.”

Não faltam vales de ossos secos, vales de tristeza e cativeiro. O que você está esperando? Profetize, anuncie a Palavra do Senhor! E você verá os ossos reviverem, a esperança voltar, e a libertação chegar. Amém, Amém, Aleluia! Como dizia João Wesley: o melhor de tudo é que Deus está conosco.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.