IGREJA METODISTA DE VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902


Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Igreja
Rio, 28/7/2009
 

Uma igreja que dá ouvidos ŕ voz do Espírito Santo

Pr. Hebert Junker


 


Esta igreja e os seus líderes, em uma das vezes em que estavam prestando culto ao Senhor, receberam do Espírito Santo a orientação de enviar dois deles como missionários: “Servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado” (Atos 13.2). Que igreja interessante esta, em que o Espírito Santo fala!

Nós, hoje em dia, afirmamos de peito aberto: Cristo é o cabeça da igreja! Mas muitas vezes nós, presbíteros/as, pastores/as, evangelísticas, somos os donos da igreja, e queremos dizer a Jesus o que ele deve fazer. Fazemos os nossos planos, e depois pedimos que o Espírito Santo assine embaixo. Usamos a Bíblia, muitas vezes, não para ver o que ela tem a nos dizer, mas para procurar base para aquilo que nós pensamos e desejamos pregar. Creio que é hora de pedirmos a deus púlpitos em nossas igrejas com servos/as de Deus cheio do fogo do Espírito Santo, ungidos, falando com ousadia, com poder, com autoridade, abrindo a Palavra e podendo dizer: Assim diz o Senhor!

Há igrejas hoje que são tão programadas, que o Espírito Santo, para entrar, precisa pedir licença. O Espírito Santo quer falar, mas o/a pastor/as lhe diz: Desculpe, mas o senhor não está no programa. Talvez domingo que vem podemos dar uma oportunidade para o senhor... O Espírito Santo não tem liberdade, todo o programa está no papel. Eu não sou contra a ordem no culto, mas o Espírito Santo precisa ter liberdade. Ele é o chefe, é ele quem faz, quem orienta, quem manda! A igreja pertence a ele.

Você sabe como o Espírito Santo fala? Ele pode fazê-lo de diversas formas. Pode ser através da leitura da Bíblia, ou de uma pregação, ou através de um hino. Há diversas formas; em Antioquia foi no jejum, na oração, no coração dos pastores, em uma reunião da liderança da igreja, que então procurou dirigir a igreja ao centro da vontade de Deus.

O Espírito Santo é o chefe da missão. É impossível haver visão e obra missionária sem o poder do Espírito Santo. Também é impossível aceitarmos que uma igreja diz que tem o poder do Espírito Santo, e não tem uma obra missionária efetiva. Se há realmente poder do Espírito, há visão missionária. Portanto, quem envia os crentes para o campo missionário é o Espírito Santo. O versículo 4 deixa isto bem claro: “enviados, pois, pelo Espírito Santo, desceram a Selêucida e dali navegaram para Chipre”.

O Espírito Santo, por sua vez, usa a igreja para enviá-los. O princípio é este: O Espírito Santo envia os missionários através da igreja. O versículo 3 diz: “jejuando, e orando, e impondo sobe eles as mãos, os despediram”. Quem impôs as mãos sobre os/as missionários/as? Foi a igreja. A obra missionária é resultado de uma liderança que vive na presença de Deus. A obra missionária é resultado de uma liderança da igreja que leva Deus a sério. Com certeza, se os/as pastores/as, evangelísticas, e líderes começam a adora, a jejuar, a buscar a Deus, o Espírito Santo vem e diz o que quer que seja feito.

Há muitas igrejas e crentes por aí dizendo que o Espírito Santo está falando nelas, mas às vezes eu me pergunto: Será que está mesmo? Pois será que o Espírito Santo falaria contra a obra missionária? Já ouvi colegas dizendo que missão é tarefa da sede, do seminário...

O Espírito Santo pode mostrar sua vontade à igreja quando a liderança está servindo ao Senhor, ministrando diante do Senhor, adorando a Deus, buscando a Deus. Em Antioquia eles estavam aprendendo como fazer mais e melhor a vontade de Deus. Quem dirige a igreja deve ser o Espírito Santo, e eu, como pastor, tremo e temo porque sei do grande perigo em que o/a pastor/a incorre de dirigir a igreja como ele quer e não como o Espírito Santo quer. Daí a importância de os/as pastores/as serem servos/as de Deus, ungidos, cheios do Espírito Santo, que levem uma vida séria, em santidade, que gastem tempo em oração e com a Palavra.

Se o Espírito Santo dirige e chama pessoas para servirem com seus dons e talentos, e a igreja jejua, ora, impõe as mãos está mais que na hora de assumirmos com responsabilidade o compromisso desta missão.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.