IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Vida Cristã
Rio, 10/11/2006
 

O QUE SIGNIFICA SER TESTEMUNHA?

Bispo Paulo Lockmann


 

1 - O que vem a ser testemunha?

A expressão grega "martyria" designa o testemunho ou testemunha; alguém convocado para dar perante o povo e autoridades o relato do que viu, à vista do que estava sendo julgado. A testemunha devia estar disposta a garantir com a própria vida a verdade de seu testemunho. Desta expressão ou do correlato martys, procede nossa expressão em português, mártir. Pois, no mundo grego-romano, no tribunal a testemunha dava testemunho garantindo a verdade com a vida, diferente de hoje quando juram com a mão sobre a Bíblia, muitas vezes uma testemunha podia perder a vida, em face de que seu testemunho havia incomodado alguém.

Assim testemunho é contar algo que você viu ou que ocorreu com você, ou mesmo com outra pessoa. Testemunho é o de Paulo perante Sanehdrin (Conselho de Israel, presidido pelo Sumo-Sacerdote). Ali, como veremos a frente, Paulo compartilha sua experiência, com Jesus na estrada de damasco.

2 - Razões para testemunhar

2.a) É uma ordem - At 1:8. Devemos testemunhar, porque foi esta a tarefa que nos foi confiada por Jesus.

2.b) Por ser um privilégio que Deus nos dá. 1Tm 1:12.

2.c) É um ato de amor. 1 Ts 2:8; Ef 3:1-2.

2.d) Por meio do testemunho levamos pessoas a conhecer Cristo e seu Evangelho de Salvação. At 2:37; 13:42-43.

3 - Condições para testemunhar:

3.a) Ter o coração aquecido pelo poder do Espírito Santo - At 1:8.

Não teremos frutos nem perseverança no testemunho, se não estivermos como João Wesley após 24 de maio de 1738, com o coração bem aquecido pelo poder do Espírito Santo.

3.b) Ter convicção da salvação que recebemos - 1 Jo 5:11-13; Rm 1:16-17.

Firmeza e segurança ao dar o testemunho é fundamental. Nunca use "eu acho" para passar as verdades da fé em Jesus Cristo. Afirme sua convicção. No testemunho cristão a nossa palavra é sim, sim ou não,não. Não passe suas dúvidas para a pessoa que você esta evangelizando. Em caso de não saber a resposta de uma pergunta, seja sincero, diga que não sabe, mas que vai pesquisar. Afinal se você não tem convicção de sua salvação, você não está em condições de testemunhar. Você está como João Wesley antes da experiência do dia 24 de maio de 1738.

3.c) Ter integridade de uma vida limpa e transparente - 1 Jo 1:9, 1 Pe 3:15.

Não é necessário dizer que o evangelho determina um padrão de vida e de santidade. As pessoas esperam ver isto na vida de quem dá testemunho do Evangelho.

3.d) Ter um conhecimento básico das verdades bíblicas. É fundamental conhecer a palavra de Deus, isto se queremos testemunhar com eficiência. O caso de Felipe e o eunuco, na estrada de Gaza (At 8:26ss) é um bom exemplo. As pessoas que não conhecem a Jesus, ou tem uma visão deturpada sobre Ele, necessitam que as instruamos sobre a Palavra de Deus - 1 Tm 4:1-2; Cl 1:27-28; 3:16; Lc 24:25-27.

3.e) Testificar de Jesus Cristo e não dar uma doutrina - 1 Co 2:1-2.

Uma das questões fundamentais, para quem dá testemunho de Cristo, é não incorrer na tentação de se tornar um advogado, que entra em uma polêmica de longa argumentação em defesa do Evangelho de Cristo. Jesus não precisa de advogado de defesa, nem tão pouco o seu Evangelho. Ele nos enviou para sermos testemunhas. Relate como o evangelho mudou a sua vida. Nada mais claro e direto do que o testemunho do cego; "...só sei que eu era cego e agora vejo..." Não podia ser contestado, os escribas tentaram argumentar e polemizar, mas ele respondeu com clareza, "eu era cego e agora vejo" (Jo 9:25). As pessoas não passam a crer em Jesus somente pela beleza de sua doutrina, existem muitas belas doutrinas em outras religiões e filosofias, elas crêem quando podem ver a prática da doutrina e as evidências do poder de Deus na nossa vida, e Deus usa isto, através da ação do Espírito Santo, para mover o coração das pessoas em direção a Cristo.

3.f) Ter a prática de orar pelas pessoas que são alvos do seu testemunho - Ef 6:18-19; Cl 1:19; Jo 17:20.

Tenho compartilhado que minha conversão ocorreu como resposta as orações de um grupo de mulheres, do qual a minha fazia parte, e que todas as quartas-feiras, se reuniam para orar pelos filhos da Igreja que estavam afastados. Não há dúvida que devemos fazer acompanhar nosso testemunho com suplicas para que o Espírito de Deus quebre as barreiras que impedem as pessoas de aceitar a Cristo.

4 - Como testemunhar - At 22:1-21

Vamos tomar como modelo, ou mesmo como ponto de referência, o testemunho de Paulo perante as autoridades judaicas. Não que nele esteja todas as respostas do como testemunhar, mas sem dúvidas tem algumas orientações, que embora não conclusivas, reúnem as questões principais da prática do testemunho evangelizador.

4.a) "... quando ouviram que lhes falavam língua hebraica, guardaram ainda maior silêncio..." At 22:2.

Paulo pregava no mundo grego-romano na língua mais universal da época, mesmo em Israel muitos falavam o grego, No entanto, Paulo, da escadaria da Fortaleza Antonia, que ficava no ângulo noroeste da grande esplanada do templo, começava a testificar ao povo em hebraico, na verdade o aramaico, visto que o hebraico já não era falado em Israel desde o retorno do cativeiro em Babilônia. Falar a língua da terra, do povo, é fundamental para uma boa comunicação da mensagem. Para isto, precisamos ser humildes e ouvir, até aprender a linguagem das pessoas.

4.b) "... sou judeu... fui instruído ais pés de Gamaliel" (At 22:3).

Gamaliel, que significa neto de Hilel, representava uma das mais prestigiosas das escolas rabínicas da época de Paulo. O que Paulo está fazendo é transmitir segurança aos que ouvem, não era um ignorante que estava se dirigindo aos mestres e autoridades de Israel. Paulo se colocava com sabedoria de Deus, de maneira simples, mas buscando ganhar alguns dentro do Sinédrio. Devemos sempre que possível e com sinceridade valorizar o que as pessoas têm e são, nada afasta tanto as pessoas do Evangelho do que enfrentarem prepotência e menosprezo por aquilo que elas tem ou são.

4.c) "Persegui este caminho até a morte...e ia para Damasco no propósito de trazer manietado..." (At 22:4-5).

As condições de vida que Paulo teve como executor da prisão dos cristãos em nome daquele mesmo tribunal, mostra a seus ouvintes que ele conhecia o sentimento que estes nutriam. Aqui o testemunho alcança o nível humano mais profundo, pois Paulo se identifica com os sentimentos da grande maioria daqueles judeus que o ouviram. Paulo está dizendo que os entendia, pois o zelo pela pureza da religião judaica ele também tivera e continuava tendo num certo sentido.

Hoje quando nos dirigimos às pessoas precisamos conhecer seus sentimentos, e assim chegarmos mais próximos de suas aspirações, em termos das necessidades, medos, alegrias, etc... Deixar a pessoas falarem e se expressarem é a única maneira de conhecer quem são e consequentemente quais são seus sentimentos.

4.d) "Ora, aconteceu... perto de Damasco... grande luz brilhou... Saulo, Saulo, por que me persegues?" (At 22:6-7).

Este momento de testemunho é fundamental, pois trata-se de uma EPIFÂNIA. Palavra complicada, mas de sentido simples, trata-se da irrupção do divino na história humana, uma luz do céu, algo inusitada que manifesta a presença de Deus na experiência religiosa de Paulo. O encontro com Deus, em uma experiência pessoal é marca permanente da fé bíblica, foi assim com Abraão, Isaque, Jacó, Moisés os profetas e o próprio Jesus no momento do batismo e outros.

Quando falamos da nossa fé, temos de com simplicidade saber passar nossas experiências pessoais com Deus, elas serviram de estímulo para que as pessoas busquem seu encontro com Deus, que não precisa ser igual ao nosso, mas precisa ser um encontro com Deus. Nós metodistas estimulamos esta experiência pessoal, cremos no testemunho interno do Espírito, como Wesley, como parte desta experiência pessoal com o Divino.

4.e) " ...Deus de nossos pais te escolheu para conheceres sua vontade..." (At 22:14).

Um encontro com Deus, é uma experiência que não nos deixa do mesmo modo em que vivíamos, ela deve produzir mudanças na vida, deve produzir conversão a Deus. Por outro lado, uma experiência com Deus deve produzir missão, Paulo recebeu uma, nós devemos insistir com as pessoas que ao aceitar cristo elas devem ser companheiras na missão de Jesus. Há uma tarefa a ser cumprida.

5 - Conclusão:

Há sem dúvida muitas outras questões envolvidas em um testemunho, no entanto cremos que as principais foram apresentadas a luz da palavra de Deus. Cabe repetir que todo testemunho deve ser dado no poder e na autoridade do Espírito, conforme previu Jesus. Não há estratégia ou argumento que convença o pecador, se o Espírito Santo não estiver operando sobre ele. E o Espírito chega até eles se sua unção estiver sobre nós, cada palavra cada gesto, serão usados pelo Espírito de Deus para dar a conhecer o seu amor, e isto através de nós.

6 - Questões para reflexão:

a) O que é ser testemunha?

b) Por que devemos testemunhar?

c) Aponte alguns requisitos básicos para testemunhar.

d) Considerando At 22:1-21, na prática do testemunho de Paulo sublinhe o que lhes pareceu mais importante.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.