IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Missão e Evangelização
Rio, 3/6/2010
 

As grandes comissões

Bispo Paulo Lockmann


 


1) Introdução

Quando pensamos no Pentecostes, sabemos que a festa bíblica da colheita (cf. Dt 16.9-12) foi apropriada pela tradição cristã como o dia do cumprimento da promessa do derramamento do Espírito Santo, conforme previsto pelo profeta Joel (2.28), e sua concretização está descrita em Atos 2. Ali, está também a primeira colheita de vidas; segundo o texto, a resposta ao sermão de Pedro foi:

"Ouvindo eles estas coisas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo" (Atos 2.37-38). "Então, os que lhe aceitaram a palavra foram batizados, havendo um acréscimo naquele dia de quase três mil pessoas." (Atos 2.41).

A consequência foi a expansão da Igreja, na evangelização, no fazer discípulos, conforme preceitua a grande comissão em Mateus 28.18-20.

O grande desafio é a obediência à grande comissão, a submissão a ela é chave do crescimento da Igreja de Cristo. Mas devemos considerar que não há somente uma grande comissão, mas sim uma grande comissão em cada Evangelho. É o que demonstraremos a seguir, especialmente o quanto elas se somam.

2) A Grande Comissão de Marcos

Em Marcos 16.14-18 encontramos o seguinte:

"Finalmente, apareceu Jesus aos onze, quando estavam à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e dureza de coração, porque não deram crédito aos que o tinham visto já ressuscitado. E disse-lhes:
Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado. Estes sinais hão de acompanhar aqueles que creem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados."

a) A primeira observação é que o empecilho à grande comissão conforme Marcos foi a incredulidade e dureza de coração dos discípulos em crer no testemunho de Jesus, que Ele haveria de morrer e ressuscitar, tampouco crer nas mulheres que haviam visto Jesus ressuscitado. Ainda hoje, não se faz a missão por incredulidade, ou por dureza de coração, até porque há quem não acredite ser tarefa de todos na Igreja: a evangelização e o discipulado.

Sim! Há quem conteste o discipulado, e, com isso, a grande comissão, e muitas outras ordenanças bíblicas.

b) A característica de urgência da grande comissão de Marcos é que está marcada pelo tempo verbal. Estão no imperativo tanto o verbo poreúomai - partir, viajar, ir, como o verbo kerússo - anuncio, proclamo, prego. O sentido é urgente, imperativo - ide, já, imediatamente; e outro verbo complementa: pregai, anunciai, já, sem delongas. Tal emergência está faltando no coração da Igreja. Até se prega, mas não com a intensidade com que as trevas anunciam a violência, a pornografia, a imoralidade.

Estamos sendo chamados a pregar constantemente, a tempo e a fora de tempo, como diz Paulo. E como quer Jesus: a toda criatura. Estamos carecendo de ações estratégicas entre os não alcançados: hospitais, prisões, rodoviárias, aeroportos, grupos culturais diversos; bem como praticantes de artes marciais, surfistas, etc.

Quantos de nós já visitamos a delegacia do bairro? Quantos de nós têm um ministério organizado em distribuir literatura no posto de saúde do bairro, ou hospital? Quantos têm aberto as portas da sua igreja ao reforço escolar, tirando os meninos e meninas da rua? São muitas as linguagens e ações urgentes no anunciar o Evangelho a toda criatura.

3) A Grande Comissão em Lucas

Em Lucas, a grande comissão se faz acompanhar do anúncio do derramamento do Espírito:

"E lhes disse: Assim está escrito que o Cristo havia de padecer e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações, começando de Jerusalém. Vós sois testemunhas destas coisas. Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder." (Lc 24.46-49).

Entender as Escrituras, em Lucas, é estar preparado para cumprir a obra de Deus; o entendimento das Escrituras traz comprometimento, disposição para fazer a obra e dependência do poder do Espírito Santo que, dentro da visão dada por Jesus, em Lucas, é quem atua, dando poder à Igreja para cumprir a grande comissão. Atos dos Apóstolos foi escrito para ilustrar isso, pois sob o poder do Espírito Santo a Igreja vai e cumpre a grande comissão, pregando e fazendo discípulos (cf. At 4.33; 5.14).

Numa outra linguagem, Lucas aplica a expressão "se pregasse arrependimento para remissão de pecados a todas as nações..." (Lc 24.47), como variável de Marcos, que diz: "...pregai o Evangelho a toda criatura..." (Mc 16.15). O que importa é a pregação incessante do Evangelho. O ser testemunha da obra de Jesus. Neste sentido, o compromisso individual se une ao compromisso coletivo da Igreja. Ou seja, cada irmão/ã tem o dever de falar de Cristo, contar da sua alegria e esperança em Deus. Tal estímulo ao povo deve ser constante em nossos púlpitos.

4) A Grande Comissão em Mateus
No encerramento do Evangelho de Mateus, encontramos a grande comissão clássica, conforme a linguagem de Mateus:

"Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século" (Mt. 28.18-20).

Na redação de Mateus, este é o texto mais usado para falar da responsabilidade evangelizadora da Igreja. Tendo por base o bem conhecido "Ide", pastores e membros da Igreja apelam a todos os crentes, para que assumam essa importantísima tarefa. Ir torna-se desafio. Entretanto, não existe um projeto concreto para a ação, e nem para a permanência dos frutos que principiam a ser colhidos, isto é, o crescimento do número dos novos convertidos.

Retornemos ao texto. Procuremos conhecer os reais desafios nele contidos. Lendo-o, nos textos originais, perceberemos que o ide corresponde a um verbo grego, conjugado no particípio, que expressa na verdade o gerúndio indo. A tradução para a língua portuguesa, posta no modo imperativo (Ide), provoca um deslocamento de ação. No grego, o modo imperativo, verdadeiramente, acha-se no outro verbo da mesma frase, no fazei.

Assim, a tradução que se aproxima mais dos textos gregos originais recoloca no seu devido lugar a prioridade da tarefa a realizar: "Indo, portanto, fazei discípulos por todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; e ensinando-os a observar tudo quanto vos ordenei." Assim, manter o imperativo no seu lugar original é, também, ampliar o sentido do texto. Percebemos que discipular é a forma de ser da Igreja. Assim foi para Jesus e para a Igreja Primitiva. Discipular não é uma opção a mais de trabalho na vida das igrejas locais. Discipular é uma ordem de Jesus, à qual devemos obedecer. Principalmente, quando ele diz: "...e ensinando-os a guardar todas as coisas."

Mesmo sabendo e vendo em todas as grandes comissões que a ordem de evangelizar, de anunciar o Evangelho, chama, pede, enfatiza o discipulado, continua havendo falha na consolidação e discipulado dos convertidos. Preciso sublinhar que: o pastor não pode delegar a tarefa de dirigir, coordenar o discipulado na igreja local. O que quero dizer com este destaque é: Como Jesus dirigiu o discipulado dos seus discípulos, na sua igreja o processo precisa ter em você a referência como discipulador, sua liderança é seu grupo base, eles vão se consolidar, e em grande maioria serão os líderes dos grupos de discipulado. Não permita que seus grupos de discipulado se tornem um clubinho santo. Santidade é bom, mas para ser espalhada nos bairros e cidades, tornando conhecido o nome e o poder de Deus.

5) Conclusão
Cumprir a grande comissão faz da Igreja uma comunidade de fé submissa às ordenanças de Jesus, atrai a presença Dele. Alegra o coração de Deus, e: "...a cada dia, acrescenta o Senhor os que vão sendo salvos." A grande comissão de João será desenvolvida em um texto próprio.

Deus seja convosco. Amém! Amém! Amém!

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.