IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Rio, 29/10/2010
 

Sem Fé é Impossível Agradar a Deus (Hebreus 11.6)

Bispo Paulo Lockmann


 

1 - Somente a fé
Estamos comemorando este ano 493 anos desde que Lutero lançou com suas 95 teses os fundamentos da Reforma Protestante. Entre eles, a afirmação “somente a fé”, ou seja, como ensinou Paulo, somos salvos pela “graça mediante a fé” (Ef 2.8). Uma visão bem prática para a fé é dada pelo próprio Lutero: “Em fé e amor consiste toda essência de uma vida cristã. A fé recebe, o amor dá de si, a fé leva a pessoa para Deus, o amor leva Deus às pessoas.” Wesley, desde um testemunho da Palavra, afirma sobre a fé: “Ela implica uma evidência sobrenatural de Deus e das suas coisas, uma espécie de luz divina exposta à alma, uma visão sobrenatural ou percepção da mesma. Por isso, a Escritura fala de Deus concedendo às vezes luz, às vezes poder para discerni-la. Assim, S. Paulo: “Deus, que ordenou que a luz brilhasse nas trevas, brilhou em nosso coração para dar-nos a luz do conhecimento da glória de Deus no rosto de Jesus Cristo.” Em outra parte, o mesmo apóstolo fala dos “olhos do nosso entendimento sendo abertos.” Por esta dupla operação do Espírito Santo, tendo os olhos, da nossa alma abertos e iluminados, vemos as coisas que o “olho natural não viu, nem o ouvido ouviu.” Temos um prospecto das coisas invisíveis de Deus; vemos o mundo espiritual que está ao nosso redor, embora não discernido pelas nossas faculdades naturais como se não fosse ser. Vemos o mundo eterno penetrando o véu que se levanta entre o tempo e a eternidade. As nuvens e as trevas não mais pairam sobre ele, mas já vemos a glória que será revelada.” Wesley projetou seu chamado e paixão pelas vidas para o mundo todo: “O mundo é a minha Paróquia.”

2 - Como Jesus considerou a fé
Jesus estimulou os discípulos a exercerem fé. E fez isso com abordagens diversas:

a) Quando a ansiedade em relação ao sustento tirava a visão e o coração dos discípulos da missão que tinham com Jesus, Ele lhes diz:

“Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é
lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé?”
(Mt 6.30)


Fica para nós o desafio para confiar no Deus provedor, que responde além da nossa fé.

b) Quando, como discípulos do Mestre, consideravam que eram exemplos de fé, Jesus apresenta um gentio como exemplo maior de fé, dizendo ao centurião romano:

“Ouvindo isso, admirou-se Jesus, e disse aos que o seguiam:
Em verdade vos afirmo que nem mesmo em Israel achei fé como esta ...
Então, disse Jesus ao centurião: Vai-te, e seja feito conforme a tua fé.
E, naquela mesma hora, o servo foi curado.”
(Mt 8.10,13)

Quantos de nós não precisamos adquirir uma fé mais audaciosa, que olhe mais para Deus e seu poder, e menos para as nossas dificuldades. Aprendamos com o Centurião.

c) Jesus se apresenta como Senhor da natureza, o mesmo que fez o povo atravessar o Jordão a pé enxuto (cf. Js 3.15-16); estava agora numa tempestade com os discípulos, estes apavorados, Jesus na paz de quem sabe que o Pai está com ele:

“E eis que sobreveio no mar uma grande tempestade, de sorte que o
barco era varrido pelas ondas. Entretanto, Jesus dormia. Mas os discípulos
vieram acordá-lo, clamando: Senhor, salva-nos! Perecemos! Perguntou-lhes,
então, Jesus: Por que sois tímidos, homens de pequena fé? E, levantando-se,
repreendeu os ventos e o mar; e fez-se grande bonança.”
(Mt 8.24-26).


A pergunta continua sendo: “Porque sois covardes? Homens de pequena fé.” A expressão deiloi é traduzida melhor por covardes e não tímidos. É a mesma expressão usada por Paulo, quando diz:

Porque Deus não nos tem dado espírito de
covardia, mas de poder, de amor e de moderação.
(2 Tm 1.7)

E nós, temos sidos valentes e ousados? Ou tímidos ou covardes? Desafios de fé são para os discípulos e discípulas, mas especialmente para pastores e pastoras. Seu povo cresce com a audácia e coragem de fé de seus líderes?

3 - Como desenvolver nossa fé?
O exercício da fé é um processo espiritual que devemos buscar, visando ao nosso crescimento e maturidade cristã.

a) Nossa fé cresce na comunhão com Deus

Os discípulos pediram a Jesus:

Então, disseram os apóstolos ao Senhor:
Aumenta-nos a fé.”
(Lc 17.5).

O pedido expressa que a fé vem de Deus. Em Hebreus 12.2, é declarado que a fé é uma dádiva de Deus:

“Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual,
em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz,
não fazendo caso da ignomínia, e está assentado
à destra do trono de Deus.”
(Hb 12.2).

Mas Paulo, ensinando sobre os dons espirituais, diz:

“Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria;
e a outro, segundo o mesmo Espírito, a palavra do conhecimento; a outro,
no mesmo Espírito, a fé; e a outro, no mesmo Espírito, dons de curar.”(
1 Co 12.8-9).

Portanto. se você quer ver sua fé aumentada, peça a Deus, busque a Deus, sua experiência com Ele irá sem dúvida aumentar sua fé.

b) Nossa fé cresce quanto mais conhecemos a Palavra de Deus.

Embora pareça óbvio, e uma verdade conhecida, não é uma verdade vivida. Paulo nos ensina com clareza:

“E, assim, a fé vem pela pregação, e a
pregação, pela palavra de Cristo.”
(Rm. 10.17).

Não somente esta referência, mas a mais decisiva é a de Hebreus 11. Ali, além de definir a fé como: “...certeza das coisas que se esperam e a convicção de fatos que não se vêem.”, mostra a galeria bíblica dos heróis da fé, de Abel, passando pelos patriarcas, Moisés, os reis e profetas de Israel.

Mostra, assim, que a Bíblia é a história de homens e mulheres que exercitaram a fé, que herdaram as promessas. Mostra-nos os bons caminhos para crescermos na fé.

c) Para crescermos na fé devemos ter alvos claros.
É muito difícil avaliarmos nossa fé, se não traçamos alvos que desejamos alcançar em nossa caminhada espiritual. É muito difícil você alcançar respostas de fé, se os seus pedidos não são claros, e não são sempre para glorificar Deus na sua vida, e realizar a missão. Cuidado com a advertência bíblica:

“Pedis e não recebeis, porque pedis mal,
para esbanjardes em vossos prazeres.”
(Tg 4.3).

David Y. Cho ensina o seguinte sobre alvos e objetivos em oração: “Certa vez um homem me fez o seguinte pedido: – Pastor Cho, ore a Deus para que ele me abençoe. E minha resposta foi: – Que tipo de bênção você quer? Existem milhares de bênçãos na Bíblia. Para obter uma resposta, é preciso especificar. Se não especificar, como saberá que Deus atendeu sua petição? Se uma pessoa tem um problema financeiro, ela não deve orar simplesmente assim: “Senhor, preciso de dinheiro. Por favor, ajuda-me!” Não; ela tem que orar da seguinte forma: “Senhor preciso de R$ 1.000,00 para saldar minhas dívidas, e peço-te que me mandes esses R$ 1.000,00, para que eu possa pagar essa dívida, e para que teu servo não seja envergonhado. “Portanto, se alguém precisa de R$ 1.000,00 deve pedir exatamente essa quantia. Se alguém precisa de R$ 590,50 não arredonde para R$ 600,00; peça a quantia exata de que precisa. Deus Sempre atende a petições diretas e específicas.

Wesley orava por questões objetivas, pessoas, congregações. Com isso, podia dar testemunhos de fé das respostas de oração.

d) Orar com fé é se abrir para visões e revelações do Senhor.

“E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito
sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão,
vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões.”
(Joel 2.28).

Sim, a profecia de Joel nos introduz ao fato que uma Igreja nascida no Pentecostes é uma Igreja visionária. “Sim, tem dado pelo derramar do Espírito, filhos que profetizam, velhos que sonham e jovens que têm visões.” Sem profecia, o povo se perde, esfria a fé, junto com ela, há os sonhos e visões de Deus, apontando o futuro de Deus, a esperança e certeza da vitória.

Como foi que Daniel cresceu na fé em pleno cativeiro? Foi jejuando, orando e experimentando visões de Deus. Jesus advertiu que a sua Igreja ingressaria em tempos de sinais sobrenaturais, resultado vindos sobre aqueles que cressem:

“Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em
meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em
serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal;
se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados.”
(Mc 16.17-18).

e) A fé cresce quando fugimos da incredulidade.
A incredulidade está sempre perto de nós. Os discípulos, como vimos, foram advertidos sobre isso, e, mesmo assim, demonstraram coração endurecido, ou seja, resistiram ao Espírito Santo.

“Porque o coração deste povo está endurecido, de mau grado
ouviram com os ouvidos e fecharam os olhos; para não suceder
que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com
o coração, se convertam e sejam por mim curados.”
(Mt 13.15).

As confissões de fé, desde a de Pedro (cf. Lc 9.18-22) são atitudes contra a incredulidade, afirmando a fé, espantamos o mal e a incredulidade, sua filha.

3 - Conclusão
Aproveito para repartir algumas afirmações sobre a fé, numa abordagem evangélica. A essência da vida cristã é a fé. O povo costuma dizer em meio a uma crise: “Isto abalou a minha fé.” Mas sabemos que um cristão maduro, um verdadeiro discípulo(a), sabe o que nos ensina Pedro numa lição poderosa, escrita há quase dois mil anos:

“Que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação
preparada para revelar-se no último tempo. Nisso exultais, embora, no presente,
por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para
que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o
ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra
na revelação de Jesus Cristo; a quem, não havendo visto, amais; no qual,
não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de
glória,obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma.
(1 Pe 1.5-9).

Mediante a fé em Jesus, somos salvos (cf. Ef 2.8), somos purificados (cf. Atos 15.9), herdamos as promessas de Deus (cf. Hb 6.12), as vitórias para a missão de Deus são alcançadas mediante a fé (cf. Hb 11.32-39). Sim: “... sem fé, é impossível agradar a Deus.”

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.