IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Vida Cristã
Rio, 25/11/2006
 

Esboço Temático sobre a Unidade

ZZ Outros Colaboradores ZZ


 

Mateus 18.
“Quem é o maior?” Competição...

Criança. Características das crianças. A criança que há em nós.

Tendência da época: Poder, Nome, Autoridade.

Cristo: Ser Servo...

Fp2.1-5 ss.
“Tende em vós o mesmo sentimento de Cristo.”

. Esvaziamento, ser servo...

.Tempo de hoje: Busca de poder, nome, autoridade. Competição. Senhorio. Messianismo,etc.

Cristo: Esvaziamento. O que isso significa?

Quebrantamento. Colocar tudo no altar de Deus...Desfazer-se de direitos.

Entrega de tudo: vontade, ambição, sonhos, ideais, posições, cargos, ministérios, etc.

.Contexto do Concílio.... Exigência divina: esvaziamento e entrega. Estamos prontos ?

Efésios 5.
“ Não vos embriagueis com Vinho, mas Enchei-vos do Espírito.

. A Igreja e a bebida. Sempre houve essa ênfase. Embriagues: perda do domínio, álcool no córtex-cerebral, falta de equilíbrio. Supressão do Super-Ego. Perda da auto crítica,etc.

Embriagues é um “sinal” de outros tipos de embriagues presentes em nosso tempo:

. Embriaguez do poder, do nome, da ambição, da posição, dos sonhos, das obceções, do messianismo, da religiosidade,da autoridade. Os sintomas e as conseqüências , muitas vezes, são piores. Wesley: prefiro um bando de bêbados do que pessoas cheias de si, intoleráveis...

. Encher-se do Espírito. Não somos nós que nos enchemos.É voz passiva... e não ativa. É o Espírito que nos “enche”, nos torna pleno dEle. Para ser cheio é necessário esvaziar-se de si mesmo; das áreas mais ocultas,e obscuras de nosso ser.Uma invasão do Espírito , com sua presença e luz, em todo o nosso ser, mente, emoção, vontade, decisão, lugares ocultos do castelo de nossa alma. Tereza de Ávila...sempre há uma área escura e oculta em nossas vidas onde o ESanto necessita iluminar com a Sua presença e Graça.

. São necessários: submissão e fé (Assim como recebestes a Cristo, andai nEle).

. Neste Concílio estamos cheios de nós mesmos... de nossas posições, de nosso Institucionalismo... de nossa Burocracia.... de nosso academicismo.... de nossos messianismos.... emocionalismos... formas estereotipadas de agir....

“Andai no Espírito e Jamais satisfareis a concupiscência da carne..G. 5...Se vivemos no Espírito, andemos no Espírito.... Temos agidos em nome do Espírito com obras da carne. O manancial é nós mesmos, nossa posição doutrinária, etc...Cavamos cisternas rotas. Jr. 2....Necessitamos frutos que autenticam a presença do Espírito em nós.

. Nossas ações, reações, maneira de ser, tem sido questionada por nossos atos nos Concílios Regionais, pós-concílios, delegações, comunicação por Internet, etc.

Há necessidade de um pleno esvaziamento para que o Espírito seja pleno em nós.Isso exige um alto preço. Cristo pagou um alto preço e nós estamos prontos a todo o tipo de renúncia e esvaziamento; entrega e perda, num mundo de competição, ganho e lucro?

Quem está disposto?...

4. João 17 - Oração de Jesus

A Bíblia contém muitas orações. Muitas delas permanecem no altar do Senhor e nós somos contemplados por elas. Paulo,por exemplo, ora em Efésios 3.14-21 rogando ao Pai para “nos fortalecer pelo Espírito o nosso “homem interior”.

Uma das orações mais significativas e que projeta-se até os dias de hoje é a de Jesus em João 17. Ele ora a favor dos seus Discípulos e por aqueles que virão a crer Nele.

A sua oração é uma oração a favor do seu Discipulado. Da sua Igreja. A favor do Reino. Visa a glorificação do Pai.

Aqui estamos em Concílio Geral carecendo da Oração de Jesus. Há um grupo constante de oração aqui presente. A oração dialoga com Deus e ouve a Deus: é um derramar de coração. Louva. Adora. Exalta. Entra na Intimidade com o Pai. Agradece. Quebranta. Intercede. Suplica. O centro da oração é o Pai, através de Cristo e na unção do Espírito.Cremos que o Espírito aqui está Intercedendo por nós...a respeito daquilo que não temos percepção, que não visualizamos, que obstaculiza o nosso amor e a nossa comunhão. Ele intercede a favor da nossa Unidade.

I – O QUÊ JESUS SOLICITA.

a. Inicialmente “Glorifica ao Pai” e pede a “glorificação de si mesmo”. A vida de Jesus é colocada no altar como uma atitude de glorificação ao Pai. A cruz e a ressurreição serão componentes básicos dessa glorificação.Paulo afirma que “na cruz está a sua glória”.Prega a mensagem da cruz.

b. Ora a favor do seu Discipulado.

. Pede ao Senhor para guardá-los, livrar-los....

. Solicita para que mantenha-os no “mundo”, mas livrando-os do mal.

. Suplica para que através dEles Ele seja glorificado.

. Adverte-os acerca das tentações, da infidelidade e do perigo de perder de vista os valores do Evangelho.

. Busca passar aos seus a Sua glória e a glória do Pai e a sua Unidade.

. Clama pela santificação do Discipulado. Santificação na Verdade. A Verdade é Ele mesmo. Sua Pessoa., Obra. Morte. Ressurreição. A Presença do Espírito Santo.

.a. Separar-se para uma tarefa. B. Equipar alguém com as qualidades de mente, coração, sentimento, vontade, razão e caráter.

. Ora a favor dos que há de crer. Nós estamos enquadrados nessa oração. A nossas Missão é fazer-se cumprir esta súplica.

. Busca a glória do Pai para o Seu Discipulado.

Quem participa da cruz, sofre por amor a Ele, é Servo e oferece a sua vida, também será glorificado.

c. Derrama o Seu coração orando a favor da Unidade do Discipulado.

Paulo busca esta unidade em seu ministério. Em I Co.1... reclama dos que dizem ser “deste ou daquele”, convidando-os a ser de Cristo. Em Filipenses 2.1-4 – abre o seu coração contra a desunião e a quebra da unidade presente.Enumera três grandes causas: a.ambição egoísta - progresso pessoal. B. Prestígio pessoal. Ser admirado, respeitado, aceito, obedecido. C. Egocentrismo. Centrar-se em si, sua posição, seu messianismo, seus in teresses. Em Cristo devemos manter a unidade fraternal, através da viva presença de Cristo. Do amor – dirigidos a todos , Da presença e ação do Espírito. Pela vida de piedade e misericórdia. Ter a mesma mente, o mesmo amor, a unidade de alma e de sentimento.

. Jesus está consciente de que o “mundo” o conhecerá somente através do testemunho da Unidade de seu discipulado. A Unidade convenceram o mundo a respeito da verdade do cristianismo e da fé em Cristo.Essa unidade , contrariando os impulsos e as tendências humanas, é fruto da presença sobrenatural do Espírito Santo.

. A Unidade de seus discípulos tinha como fundamento a Unidade entre o Pai e /Cristo. Relacionamento entre a Trindade. Unidade relacional.. Onde há divisões, exclusivismo, competição entre Igrejas,desunião e lutas internas... obstaculizam e causam dano, frustrando a oração de Jesus ( William Barclay)

Esse sentimento na oração de Jesus tem encontrado, continuamente, impedimentos, obstáculos... para que o Senhor a responda, pois ela depende muito de nós que nós que nos consideramos seus discípulos e Sua Igreja.

NA ANOLOGIA DO PASTOR E SUAS OVELHAS VEMOS UM REBANHO, UM PASTOR E VÁRIOS APRISCOS. ESSES APRISCOS, MUITAS VEZES, POSSUEM CARACTERÍSTICAS DIFERENTES, MAS FAZEM PARTE DE UM MESMO REBANHO E ESTÃO SOB A CONDUÇÃO DE UM SÓ PASTOR.

Na visão de Ezequiel 36.19-28 a profecia da ação divina contempla reunir o povo separado, estando no cativeiro devido à desobediência e o não andar no caminho do Senhor.

· Por amor ao nome do Senhor, Deus na Sua graça busca o povo.

· Primeiro, purificando através de um ato de aspersão.

· Congregando de todas as partes.

· Mudando as suas mentes

· Transformando os seus corações de pedra por um coração de carne,

· Dando-lhes um novo Espírito

· Concede-lhes a promessa de habitar na terra que Ele lhes deu.

· Fará deles verdadeiramente o seu povo. E será para eles o Seu Deus.

II - A ORAÇAO DE JESUS E NÓS

A realidade do contexto religioso hoje é conturbadora. Vivemos sob a influência dos valores da pós-modernidade:competição, busca de posição e autoridade, personalismo, egocentrismo, dominância dos fortes, dos maiores...

Há uma contínua quebra na comunhão e unidade do Corpo de Cristo. Diariamente surgem novas Igrejas e Comunidades. Muitas consideram-se como a verdadeira Igreja do Senhor. Há um contínuo espírito de messianismo entre nós e essas comunidades.

O Corpo está partida. Não há amor, respeito e reconhecimento entre nós. A nossa comunhão está fragilizada. Na ação missionária visualizamos o pessoal e o individual e não a Missão maior do Corpo de Cristo. Tudo isso é sinal de Pecado contra Deus, o Evangelho e a Humanidade, impedindo do “mundo crer”.

Não somos nós que criamos ou fazemos a Unidade. Ela é do Espírito e já existe.Alguém disse: A Unidade que temos e a que necessitamos”. Outro: “A nossa unidade como irmãos e a nossa desunião como igrejas”.

Temos que reconhecer que a Unidade que Cristo prefigurou é muito mais do que Institucional e Burocrática. É missionária! É de natureza relacional entre os membros do Corpo,, no qual temos Unidade, Diversidade e Mutualidade. Os dons e os ministérios são diferentes, mas glorificam e servem ao Pai, Filho e Espírito Santo, atendendo a realidade e as necessidade do ser humano e da Sociedade.

No contexto deste Concílio Geral como podemos responder à oração de Jesus? Efésios 4.1-5 fala de nossa Unidade na pessoa de Cristo. Convida-nos a “preservar a unidade do Espírito”.

Temos que reconhecer a nossa carência de unidade; o nosso pecado de desunião; a nossa necessidade de quebrantamento de mente, coração e vontade; a nossa dependência do Espírito Santo; a nossa carência do Amor, do Esvaziamento, do servir-se mutuamente.

Falar sobre unidade. Discutir a seu respeito,. Avaliar os seus efeitos.... não podem sobrepor-se à Oração de Jesus, pois a Unidade do Corpo do Discipulado é prioridade, demanda, Imperativo, condição básica para o cumprimento da Missão.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.