IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Metodismo
Rio, 12/7/2014
 

Os 25 Artigos de Religião do Metodismo - Artigos 5º ao 6º - A Bíblia Sagrada

Pr. Edson Cortasio Sardinha


 

A Igreja Anglicana escreveu 42 Artigos de Religião em 1552 com o apoio de Tomás Cranmer (1489-1556). Cranmer excluiu as crenças da Igreja Católica Romana e medievais que não tinham bases bíblicas e ao mesmo tempo, preservou as doutrinas bíblicas aceitas pela igreja universal. Em 1570 os Artigos passaram ao número de 39. 

João Wesley, como pastor anglicano, preparando e organizando o movimento metodista para crescer e ser consolidado, copiou na íntegra 25 dos 39 Artigos de Religião Anglicanos. Ele não escreveu nenhum artigo novo, apenas omitiu alguns (14 artigos) por entender que não seriam necessários para o movimento ou não tinham base bíblica suficiente. 

Os Artigos 1º ao 4º falam da Santíssima Trindade, do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Os artigos 5º e 6º falam da Bíblia Sagrada como nossa única Regra de fé e prática. 

O Artigo 5º fala da suficiência das Santas Escrituras para a salvação. Não temos necessidade de nenhum outro livro para nos apontar o caminho da Salvação. Apenas a palavra de Deus. O Artigo diz: "As Santas Escrituras contém tudo que é necessário para a salvação, de maneira que o que nelas não se encontre, nem por elas se possa provar, não se deve exigir de pessoa alguma para ser crido como artigo de fé, nem se deve julgar necessário para a salvação".

O Artigo excluiu claramente os livros apócrifos (ou deuterocanônicos como os católicos os chamam). Ele diz: "Entende-se por Santas Escrituras os livros canônicos do Antigo e do Novo Testamento de cuja autoridade nunca se duvidou na Igreja, a saber, do Antigo Testamento: Genesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juízes, Rute, I e II Samuel, I e II reis, I e II Crônicas, Esdras, Neemias, Ester, Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes, Cânticos de Salomão, Isaías, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel, Daniel, Oseas, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miqueias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias; e do Novo Testamento: Evangelhos; segundo S. Mateus, S. Marcos. S. Lucas e S. João, Atos dos Apóstolos; Epístolas de S. Paulo: aos Romanos, I e II aos Coríntios, aos Gálatas, aos Efésios, aos Filipenses, aos Colossenses, I e II aos Tessalonicenses, I e II a Timóteo, a Tito e a Filemom; Epístola aos Hebreus; Epístola de S. Tiago; Epístolas I e II de S. Pedro; Epístolas I, II e III de S. João; Epístola de S. Judas, e o Apocalipse.

O Artigo 6º fala especificamente Do Antigo Testamento. Como muitas seitas excluíam o Antigo Testamento ou afirmava que existia uma contradição com o Novo Testamento, o Artigo diz: "O Antigo Testamento não está em contradição com o Novo, pois tanto no Antigo como no Novo Testamento a vida eterna é oferecida à humanidade por Cristo, que é o único mediador entre Deus e o homem, sendo Ele mesmo Deus e Homem; portanto, não se deve dar ouvidos àqueles que dizem que os patriarcas tinham em vista somente promessas transitórias. Embora a lei dada por Deus a Moisés, quanto às cerimônias e ritos, não se aplique aos cristãos, nem tão pouco os seus preceitos civis devam ser necessariamente aceites por qualquer governo, nenhum cristão está isento de obedecer aos mandamentos chamados morais".

Os mandamentos morais referem-se aos dez mandamentos. Lembrando que a Igreja primitiva e os anglicanos e metodistas sempre guardaram o domingo por entenderem que é o dia do Senhor, o Santo dia de descanso. O Domingo é o nosso dia sabático.   

            DUNCAN ALEXANDER REILY (Fundamentos Doutrinários do Metodismo) diz que esse pequeno bloco nos lembra o tempo quando a Bíblia cristã (ou seja, o Cânon) estava ainda em formação. Os gnósticos tendiam a rejeitar o Antigo Testamento como um todo e muitos cristãos perfeitamente ortodoxos e que reconheciam o grande valor do Antigo Testamento tinham dificuldade com o sacerdócio, as liturgias, comidas proibidas etc. Queriam saber como preservar os inquestionáveis valores do Antigo Testamento sem se envolver com as antigas festas, sacrifícios, circuncisão e coisas semelhantes.

Irineu (nasceu no II Século e morreu em 202) então observou que há duas categorias de lei divina, a cerimonial, de duração limitada, e a moral, de validade permanente. O princípio de Irineu é aceito pelos anglicanos e metodistas, pois concordamos com a grande maioria dos cristãos no mundo todo que "nenhum cristão está isento de obedecer os mandamentos do Antigo Testamento chamados morais". 

Justino Mártir (100-165), escrevendo por volta de 150, descreve detalhada mente o culto dominical. Nessa celebração, a leitura do Novo e do Antigo Testamento é feita, significando que, na prática, a Bíblia cristã já era uma só. Justino diz: "Ali se dá a leitura das Memórias dos apóstolos ou das Escrituras dos Profetas..." seguida de uma prédica pelo "presidente" (Apologia I, cap. LXVII).

  Como toda a Igreja de Cristo, cremos no valor real do Antigo e Novo Testamentos para a nossa Salvação.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.