IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Reflexões
Rio, 14/3/2015
 

Unidade na adversidade

Pr. Edmar Leonardo da Silva


 

(Números 17: 8-13)

 

O presente relato narra o acontecimento que sucedeu ao triste episódio das águas da contenda em Refidim (Nm 17. 1,7) quando o povo havia se esquecido de como Deus os havia tirado da escravidão do Egito e tentaram ao Senhor questionado sua presença entre eles.

Naquele mesmo lugar, vieram os Amalequitas (povo do deserto) e pelejaram contra eles, Segundo o que se diz em Gênesis 36.12 a 16, Amaleque era neto de Esaú, e um dos príncipes de Edom ( l Cr 1.36).

Esta situação indesejada fez com que Moisés, o líder de Israel, tomasse uma atitude. A única saída era a guerra e Moisés sabia que o povo não tinha experiência na arte da guerra. Sem a presença de um grande milagre da parte de Deus a derrota e frustrações eram iminentes. É aí que aparece a figura da liderança que faz a diferença.

Vamos ver como reagiram e qual foi a atitude dos quatro personagens dessa história: Moisés. Josué, Arão e Hur.

1. MOISÉS

 O cabeça, o líder, o representante de Deus. Ele trazia sobre si a autoridade que lhe foi investida por Deus. O bordão de Deus estava em suas mãos ( V. 9.) Assim sabendo de sua responsabilidade ele chama a Josué e lhe dá a ordem para agir da forma que ele determinou, e ainda compartilha com ele, aonde como líder estaria, e o que ele estaria fazendo ( v. 9-10).

         O verdadeiro líder não é aquele que somente sabe mandar, mas também fazer. Se Josué resolvesse fazer tudo de outra forma, achando que Moisés estava velho e caduco, com certeza ele e todo o exército Israel morreriam. Precisamos, como Josué, acreditar e respeitar nossos líderes dentro do local onde nos alimentamos da palavra.

2. JOSUÉ

O guerreiro corajoso e destemido, que seria o sucessor de Moisés. Ele sabia que a obediência a Moisés era a condição para que obtivessem vitória, pois reconhecia a liderança de Moisés e a presença de Deus em sua vida. 

Para conquistarmos a vitória precisamos reconhecer a liderança que Deus tem colocado sobre nós.  É um princípio fundamental para a estabilidade de qualquer grupo. Jesus disse que qualquer casa dividida não prevalecerá: "Todo reino dividido contra si mesmo será arruinado, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá. (Mt 12. 25).

3. ARÃO

           O Sumo Sacerdote, um líder, um homem escolhido para ser o mediador entre o povo e Deus. Sem a presença de Arão algo estaria incompleto. Arão representa a parte espiritual da batalha e da vitória, a parte que muitos dão pouco valor, mas sem essa busca não haverá vitória.

          Precisamos levar “Arão” para nossas batalhas, ele é indispensável. Assim como Simão, o Cireneu, estava lá para ajudar o mestre a carregar a cruz, também precisamos de Arão e Hur para completar o time que estará na intercessão para a vitória. A intercessão é uma ferramenta indispensável para qualquer pleito.

4. HUR

              A bíblia não nos dá muitas informações sobre este homem, mas acredito que Hur era um homem bem chegado à Arão e Moisés, uma espécie de auxiliar que estava sempre à disposição. Assim Hur deveria estar no alto do monte para que lá no campo de batalha, Josué e os soldados ganhassem a batalha.

Arão não conseguiria segurar ambos os braços de Moisés da forma que deveria ser feito. Por isso Hur foi chamado a subir no monte e estar com Arão ao lado de Moisés para contribuir naquele momento difícil para o povo de Deus.

CONCLUSÃO

        A Bíblia está repleta de batalhas e lutas travadas entre homens e povos, e a isto também ocorre com as nossas vidas, também cheias de batalhas. 

A atitude deste quarteto nos demonstra três princípios que garantiram a vitória ao povo de Israel:

1. Hierarquia - Havia liderança

2. Unidade    - Havia concordância

3.              - Havia uma certeza

Nós, como verdadeiros cristãos, não podemos deixar de seguir estes princípios. Devemos acreditar que temos um Deus justo, que ama e zela por nós. Contudo, precisamos fazer nossa parte e ter fé que Deus fará a d Ele. Deus não tem compromisso com quem não tem compromisso com Ele. Porém, está sempre à disposição daqueles que o buscam.          

  “O SENHOR está convosco, enquanto vós estais com ele; se o buscardes, ele se deixará achar; porém, se o deixardes, vos deixará”. (2 Cro 15. 2).

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.