IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Reflexões
Rio, 28/8/2016
 

John Wesley e os Pais da Igreja - Parte 12 – Resumo

Pr. Edson Cortasio Sardinha


 

Hoje completa doze semanas que estamos estudando os “Pais da Igreja”, listados por John Wesley em sua carta "Ao Dr. Conyers Middleton". Ali ele apresentou a seguinte lista: “Clemente Romanos, Inácio, Policarpo, Justino Mártir, Irineu, Orígenes, Clemente Alexandrinus, Cipriano, aos quais eu acrescentaria Macarius e Efraim Syrus”.

Desejo, neste último artigo sobre o assunto, fazer um breve resumo sobre cada um desses homens de Deus.

Clemente de Roma (†102), foi bispo em Roma (88-97) nos tempos dos imperadores romanos Domiciano e Trajano (92 a 102). No depoimento de Irineu “ele viu os Apóstolos e com eles conversou, tendo ouvido diretamente a sua pregação e ensinamento”. Ele que organizou a Igreja em Bispos, Presbíteros e Diáconos.

Inácio de Antioquia (†110) foi o terceiro bispo da importante comunidade de Antioquia. Conheceu pessoalmente Paulo e João. Sob o imperador Trajano, foi preso e conduzido a Roma onde morreu nos dentes dos leões no Coliseu. A caminho de Roma escreveu Cartas às igreja de Éfeso, Magnésia, Trales, Filadélfia, Esmirna e ao bispo Policarpo de Esmirna. Na carta aos esmirnenses, aparece pela primeira vez a expressão “Igreja Católica”.

Policarpo (†156)  foi bispo de Esmirna, e uma pessoa muito amada. Conforme escreve Irineu, que foi seu discípulo, Policarpo foi discípulo de João Evangelista. No ano 155 estava em Roma com o Bispo Niceto tratando de vários assuntos da Igreja, inclusive a data da Páscoa. Combateu os hereges gnósticos. Foi condenado à fogueira; o relato do seu martírio, feito por testemunhas oculares, é o documento mais antigo deste gênero.

Justino (†165), mártir.  nasceu em Naplusa, antiga Siquém, em Israel; achou nos Evangelhos “a única filo (conhecimento) proveitosa”; filósofo, fundou uma escola em Roma. Dedicou a sua obra Apologias ao Imperador romano Antonino Pio, no ano 150, defendendo os cristãos; foi martirizado em Roma.

Ireneu (†202) nasceu na Ásia Menor, foi discípulo de Policarpo (discípulo de João), foi bispo de Lião, na Gália (hoje França). Combateu eficazmente o gnosticismo em sua obra Adversus Haereses (Refutação da Falsa Gnose) e a Demonstração da Preparação Apostólica. Segundo Gregório de Tours (†594), Irineu morreu mártir. É considerado o “príncipe dos teólogos cristãos”. Salienta nos seus escritos a importância da Tradição Oral da Igreja e o trabalho da igreja de Roma.

Orígenes (184-254) Nasceu em Alexandria, Egito; seu pai Leônidas morreu martirizado em 202. Também desejava o martírio; escreveu ao pai na prisão: “não vás mudar de ideia por causa de nós”. Em 203 foi colocado à frente da escola catequética de Alexandria pelo bispo Demétrio. Em 212 esteve em Roma, Grécia e Palestina. A mãe do imperador Alexandre Severo, Júlia Mammae, chamou-o a Antioquia para ouvir suas lições. Morreu em Cesaréia durante a perseguição do imperador Décio. 

Clemente de Alexandria (†215) Seu nome é Tito Flávio Clemente. Nasceu em Atenas por volta de 150. Viajou pela Itália, Síria, Palestina e fixou-se em Alexandria. Durante a perseguição de Setímio Severo (203), deixou o Egito, indo para a Ásia Menor, onde morreu em 215. Seu grande trabalho foi tentar a aliança do pensamento grego com a fé cristã. Dizia: “Como a lei formou os hebreus, a filo formou os gregos para Cristo”. 

Cipriano (†258)  Cecílio Cipriano nasceu em Cartago, foi bispo e primaz da África Latina. Era casado. Foi perseguido no tempo do imperador Décio, em 250; morreu mártir em 258. Escreveu a bela obra Sobre a unidade da Igreja. Na obra De Lapsis, sobre os que apostataram na perseguição, narra ao vivo o drama sofrido pelos cristãos, a força de uns, o fracasso de outros. Escreveu ainda a obra Sobre a Oração do Senhor, sobre o Pai Nosso.

Macárius. A história da Igreja no século IV conhece três Macárius: Macário de Jerusalém (†335) — bispo de Aelia Capitolina (Jerusalém); Macário do Egito (†391) — monge eremita egípcio; Macário de Alexandria (†395) — monge no deserto da Nítria (Wadi El Natrun). Não sabemos a quem John Wesley se refere. Mas os três são exemplo de santidade e discipulado.

Macário de Jerusalém (†335). Foi bispo de Jerusalém. Macário viveu um momento importantíssimo como bispo. Após a última perseguição anticristã, ordenada e depois suspensa pelo imperador Galério, entre os anos 305 a 311. Foi um dos autores do Credo de Nicéia onde professa a fé "em um só Deus, Pai Omnipotente" e "em um só Senhor, Jesus Cristo... Deus verdadeiro de Deus Verdadeiro". O bispo Macário faleceu de causas naturais no dia 10 de março de 335, em Jerusalém. 

Macário do Egito (†391). Macário do Egito nasceu no Alto Egito. Mas tarde, já convertido, foi viver no deserto da Nítria (Wadi El Natrun) para escapar a todas as glórias do mundo. Por um breve período, Macário foi banido para uma ilha no Nilo pelo imperador Valente, juntamente com Macário de Alexandria, por conta de uma disputa sobre o credo de Niceia. Ao retornar eles foram recebidos por uma multidão de monges do deserto da Nítria. Faleceu em 391.

Macário de Alexandria (†395). Macário de Alexandria foi também monge no deserto da Nítria (Wadi El Natrun). Ele era um pouco mais jovem que o seu contemporâneo e homônimo, Macário do Egito, e por isso também é conhecido como Macário, o Moço. Foi um asceta extremo e numerosos milagres foram atribuídos a ele. Ele presidia sobre um conjunto de 5.000 monges. Após seu exílio faleceu em 2 de janeiro de 395 d.C. 

Efrém, o Sírio (†373) é considerado o maior poeta sírio, chamado de “a cítara do Espírito Santo”. Nasceu em Nísibe, de pais cristãos, por volta de 306. Deve ter participado do Concílio de Nicéia (325), segundo a tradição, com o seu bispo Tiago. Foi ordenado diácono em 338 e assim ficou até o fim da vida. Escreveu tratados contra os gnósticos, os arianos e contra o imperador Juliano, o apóstata. Escreveu belos hinos.

As mulheres e homens de Deus que viveram a fé, no presente e no passado, são as nuvens de testemunhas que nos auxiliam a andar em santidade diante dos novos desafios. São testemunhas que fortalecem a nossa fé. Hebreus 12.1 diz: “Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta”.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.