IGREJA METODISTA DE VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902


Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Reforma Protestante
Rio, 5/11/2017
 

A Reforma Protestante – Glória a Deus

Pr. Lúcio de Sant Anna Ferreira


 

Nós evangélicos estamos comemorando 500 anos da Reforma Protestante. Este fato histórico tem uma relevância muito grande para todos os evangélicos. Foi através deste fato que todos nós fomos alcan-çados pela nova forma de expressar a fé em Jesus Cristo. Se a Reforma fosse apenas uma reação a um mo-mento histórico, certamente não passaria de uma comemoração e lembrança de um fato acontecido. Mas na verdade há uma importância muito maior para nós evangélicos. A Reforma não foi um distanciamento da Igreja Romana. Pelo contrário, foi uma resposta à ansiedade da igreja que desejava um retorno a centrali-dade do evangelho. Tinha como objetivo voltar ao cristianismo original. Que tinha um vigor apreciado por todos os cristãos em todos os tempos, inclusive por nós, nos dias de hoje. Cujo tempo apagou, sendo en-terrado pelos séculos. A alegria e a pureza da fé dos primeiros cristãos já tinham sido abandonadas pela igreja oficial. É justamente aí que se mantém a vitalidade da igreja e a validade da Reforma Protestante. É a possibilidade de estar sempre se reformando e buscando cada vez mais se aproximar do evangelho. Daí a expressão cunhada na inspiração divina pelo reformador, João Calvino: "Igreja Reformada sempre se reformando".

          A Reforma Protestante foi um processo construtivo que envolveu muitos outros homens abnegados que deram a sua vida em favor das mudanças necessárias dentro da igreja. Ícones da história como: John Wycliffe, teólogo que trabalhou na tradução da Bíblia para o inglês, morto em 1384; James Resby, morto na fogueira da inquisição, em 1407; Jan Hus, também tido como herege e morto na fogueira em 1414; Paul Craw, queimado na fogueira como herege na Escócia, em 1433; Johannes Gutenberg, inventor da prensa gráfica, mecânica. Esta invenção facilitou a propagação da reprodução de exemplares da Bíblia em série, em 1450, quando somente os clérigos tinham acesso nos mosteiros; Martinho Lutero, que publica as 95 te-ses contra o catolicismo romano, em 31 de outubro de 1517, sendo perseguido, excomungado e expulso das fileiras do sacerdócio católico. Esses são apenas alguns entre muitos outros que se destacaram e contribuí-ram para a Reforma Protestante.

          Mas a liderança da igreja, que estava totalmente institucionalizada e corrompida pelo poder tempo-ral, rejeitou as proposições sugeridas pelos reformadores, resistindo às mudanças que tanto se desejava, condenando os reformadores como hereges. Onde criou um movimento de resistência chamado de Con-tra-Reforma. Mas era tarde, o anseio dos fiéis não tinha mais volta. Tudo concorria para uma separação definitiva que não podia ser mais contida pela força da opressão da religião do catolicismo daquela época.

          Foi no dia 31 de outubro de 1517 que Martinho Lutero, monge católico, se levantou muito cedo. Os primeiros raios solares traziam a claridade para o povoado do castelo de Wittenberg, depois de ter lutado com demônios atormentando-lhe, talvez a noite toda. Martin Lutero dirige-se à porta da igreja e prega na porta principal, que dava para a praça do comércio popular, as 95 teses contra o catolicismo romano, que mudaria definitivamente a caminhada da Igreja de Cristo. A população, à medida que foi despertando do seu sono e foi tomando conhecimento naquela manhã, os comerciantes, os nobres e os clérigos insatisfeitos, não falavam em outro assunto. Este passo definitivo estabeleceu a Reforma Protestante. Não era intenção dos reformadores criar uma nova igreja e sim reformá-la. O endurecimento e as perseguições que ocorrem a partir deste momento determinaram a divisão para sempre.

          Dentre outras afirmativas do manifesto relaciono algumas: O fim das missas em latim. As missas deveriam ser realizadas na língua dominada pela população; O fim da infabilidade papal. O Papa é um homem igual a qualquer outro mortal, portanto sujeito a erros; O fim das indulgências. O perdão e a re-conciliação do ser humano com Deus não deveriam estar condicionados ao pagamento através de doações de seus bens para receber perdão divino pelas suas falhas. O abandono da idolatria e a retirada das ima-gens dos templos. Somente a Deus se deve adorar. As afirmações teológicas e doutrinárias que deveriam ser as regras de fé e pratica dos crentes em Cristo. Como por exemplo: As solae, palavra em latim que signi-fica somente. Sola Fide. Somente a fé em Jesus Cristo como único eterno e suficiente salvador para todo o crente. Sola Gracia. Somente a graça de Deus pode salvar o ser humano. Nenhum esforço laboral pode compensar os pecados do homem diante de Deus. A graça de Deus é um favor que não é meritório. Sola Scriptura. Somente as Escrituras. A Bíblia é o único livro de regra e fé do crente. A Bíblia é o único parâme-tro que regulamenta, e estabelece afirmativas que indicarão o caminho da nossa prática e fé. Solus Christus. Somente Cristo. Jesus Cristo é o único mediador entre Deus e os homens. Senhor, Salvador e Rei.

          Hoje você pode afirmar: sou cristão, protestante, reformado e evangélico que busca a vitalidade do anúncio e pregação do evangelho de Cristo Jesus, que nos trouxe salvação e libertação de todas as amarras da religiosidade ignorante que nos mantinha nas sombras das incertezas da fé. Agora eu e você podemos ver com toda a liberdade e fazer escolhas conscientes do Deus que queremos como nosso Senhor e Salva-dor. Glória a Deus: a Reforma chegou.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.