IGREJA METODISTA DE VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902


Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Reflexões
Rio, 7/4/2018
 

O pão que o diabo não amassou

Pr. Lúcio de Sant Anna Ferreira


 

          O pão é o alimento mais consumido em todas as partes do mundo. Sou filho de padeiro e lembro-me da minha infância, quando antes de ir para escola, meu pai chegava com o pão quentinho trazido da padaria. Comê-lo com manteiga, com queijo ou um doce qualquer, dá grande prazer. Pobres e ricos todos têm acesso a ele. O pão é um alimento popular. Seja manual ou mecanicamente, a sua massa é misturada, batida, amassada, cozida e transformada em pão. Esse processo deixa a massa homogênea de tal maneira que depois dele não é mais possível separar os seus ingredientes.

          Há um ditado popular que diz “Estou comendo o pão que o diabo amassou”, se referindo a um grande sofrimento que alguém pode experimentar. Jesus se compara ao pão quando diz que Ele é o pão que desceu do céu, “Porque o pão de Deus é o que desce do céu e dá vida ao mundo.” (Jo 6.33). Jesus é a massa divina misturada entre os homens. Ele foi misturado, amassado, cozido e transformado para nos salvar. Ele sendo Deus se humanizou e viveu entre nós, “E o verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.” (Jo 1. 14). É a graça maravilhosa de Deus manifesta entre nós seres humanos criados pelo Deus que tudo pode.

          Jesus foi humilhado, escarnecido, carregando a cruz que deveria ser carregada por nós, “Mas ele foi transpassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades, o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” (Is 53.5). O sacrifício na cruz torna-se inédito porque nenhum outro deus que a humanidade possa se dobrar pode se comparar ao Senhor que se deu por nós, morrendo naquela cruz.

          Ele foi levado ao túmulo, foi ao inferno. Passou pela prova de fogo indo até o fim derrotando a morte: “Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido até às regiões inferiores da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas.” (Ef 4.9, 10). Sua carne foi espetada e sacrificada sangrando até a morte. 

          Tudo parecia perdido, quando o diabo cantava o hino da sua vitória. Esfregando a mão comemorava a sua vitória, pensando que tinha amassado o pão, vencendo o Filho de Deus e toda a humanidade. Quando parecia que as trevas triunfavam e imperavam sobre o silêncio que calou o mundo, a morte não pode deter o Pão. Então o Pão foi transformado. Ele ressuscitou, Ele vive, e porque Ele vive, nós podemos crer no amanhã. Nós agora temos esperança, temos vida com Ele. O diabo está derrotado e colocado debaixo dos nossos pés.

          Jesus é o pão que o diabo não amassou.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.