IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902


Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Reflexões
Rio, 15/9/2018
 

“EFATÁ, ABRE-TE” (Marcos 7: 31-37)

Pr. Edmar Leonardo da Silva


 

Tendo deixado as fronteiras de Tiro e Sidom   (Fenícia) novamente, Jesus retornou à Palestina pela rota mais longa, cruzando o território de Decápolis. Nesta região, eles o apresentaram a um homem surdo e gago, implorando-lhe para curá-lo. Jesus o afastou da multidão porque queria tratar dele de forma discreta e pontual. Após a separação da multidão, Jesus realiza o milagre na vida do enfermo. A cura realizada por Jesus do “homem surdo que falava com dificuldade” nos traz a esperança de poder superar a incapacidade de escutar e anunciar a Palavra de Deus. É por meio de Jesus que podemos alcançar esta graça. É ele quem toca os ouvidos e a língua daquele homem, dizendo “Efatá (  היפתח )  , palavra aramaica que, segundo nos explica o próprio texto, significa “abre-te”. 

O encontro com Jesus mudou radicalmente a vida daquele homem. Este gesto de Jesus é para nós significativo, pois assim com se abriram os ouvidos e a boca do homem, somos chamados a sermos discípulos de Jesus Cristo, como ouvintes e proclamadores do Evangelho.

A narrativa de Marcos destaca o olhar de Jesus para o céu (Mc 7, 34), levando-nos a voltar o nosso olhar para o Pai, reconhecendo que devemos reconhecer nossa total dependência d’Ele. Ao mesmo tempo, ressalta o papel dos que levaram o surdo a Jesus e “pediram que Jesus lhe impusesse a mão” (Mc 7,32).  Em resposta à Palavra de Deus, o Salmo 146 nos convida a louvar ao Senhor, reconhecendo que ele é fiel para sempre, que ama e ampara os que mais sofrem.

Hoje, há muita gente necessitada de ajuda solidária e de oração, para chegar até Jesus. Por isso, esta passagem do Evangelho nos faz pensar também no modo como testemunhamos a fé através da solidariedade. É importante ressaltar, que a cura foi realizada por Jesus na região da Decápolis, território considerado pagão e, por isso, menosprezado por muitos naquele tempo. 

A boa nova do Evangelho de Jesus, se dirige a todos, especialmente aos mais sofredores. Continuando a obra de Jesus, os discípulos serão enviados a anunciar o Evangelho a todas as nações, entre os pagãos. Conforme escrito no Livro de Atos dos Apóstolos Cap. 1: 8: “Sereis minhas Testemunhas, tanto em Jerusalém, na Judéia, em Samaria, e até os confins da terra...”, o projeto de salvação Deus se expandiu para além das fronteiras da Judéia. Seus discípulos foram fiéis ao chamado e o Evangelho se espalhou e chegou até nós.        

           Nesta leitura, somos convidados a crescer na escuta e na acolhida da Palavra de Deus, reconhecendo que ela é “Palavra de Vida”. Necessitamos ter ouvidos abertos para escutar e a língua capaz de anunciar. Muitas vezes, nos comportamos como surdos e mudos diante da Palavra de Deus. O Evangelho segundo Marcos nos apresenta Jesus como aquele que “aos surdos faz ouvir e aos mudos falar” (Mc 7,37). 

A profecia de Isaías, proclamada no Cap. 35: 4-7, cumpriu-se plenamente em Jesus Cristo: 4. “Dizei aos desalentados de coração: Sede fortes, não temais. Eis o vosso Deus. A vingança vem, a retribuição de Deus; ele vem e vos salvará. 5. Então, se abrirão os olhos dos cegos, e se desimpedirão os ouvidos dos surdos; 6. Os coxos saltarão como cervos, e a língua dos mudos cantará; pois águas arrebentarão no deserto, e ribeiros, no ermo”. 7. A areia esbraseada se transformará em lagos, e a terra sedenta em mananciais de águas, onde outrora viviam os chacais, crescerá a erva com canas e juncos.

Que possamos aceitar este desafio sagrado de ouvirmos e praticar a Palavra que nos é anunciada por Deus. 

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.