IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902


Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Reflexões
Rio, 8/12/2018
 

“PREPARAI O CAMINHO DO SENHOR” (Lucas 3: 1-6)

Pr. Edmar Leonardo da Silva


 

O Evangelho deste II Domingo do Advento nos remete à confiança e esperança. Para abordarmos bem  esta mensagem, se faz necessário conhecer o ambiente histórico em questão. Lucas situa o início da atividade pública de João Batista e de Jesus num contexto histórico-geográfico bem definido no tempo. 

Com precisão, ele cita sete personagens contemporâneos a este acontecimento. Estas sete pessoas são: o imperador Tibério César, soberano no mundo Mediterrâneo, cujo décimo quinto ano de seu império corresponde entre 28-29 d.C. Ele é o sucessor do imperador Augusto, aquele sob jurisdição do qual nasceu Jesus (Lc 2-1). Os quatro nomes seguintes fazem referência ao governador e três tetrarcas entre os quais havia sido dividido o território de Herodes, o Grande, o que tentara matar Jesus. São eles: o governador Pôncio Pilatos, que condenará Jesus à morte de cruz (Lc 23-24); Herodes Antipas, que aprisionará e decapitará João Batista (Lc 3-20; 9,9), e, como tetrarca da Galiléia, tinha jurisdição sobre Jesus (Lc 13-31); Filipe e Lisânias não têm um significado específico, mas servem para completar o quadro do governo. Anás e Caifás são mencionados como as autoridades máximas judaicas, que se escandalizaram com o comportamento de Jesus, solicitando a sua condenação à morte.

O povo de Israel se encontrava em  um tempo difícil, onde não  havia esperança ou ânimo. Neste tempo a Palavra de Deus foi dirigida a João, o filho de Zacarias, no deserto, o qual percorreu toda a região do Jordão, com uma mensagem de conversão e arrependimento para o perdão dos pecados. 

A mensagem de salvação de Deus é para todos. E converter-se é a primeira e radical condição para acolher a salvação que estava para chegar. Deus não obriga ninguém a acolher sua Palavra e seu Filho, mas espera de todos uma resposta. Infelizmente, este convite, como a  voz de João Batista, ressoa frequentemente no deserto, na indiferença e na aridez. Pregadores contundentes como João nem sempre são bem aceitos, já que estamos  mais propensos a escutar quem concorda conosco, do que quem diz que estamos errados e que devemos mudar.

O princípio do caminho de conversão consiste em remover tudo aquilo que nos pesa na consciência, admitindo os nossos pecados. São atitudes contumazes, com a infidelidade,  orgulho, arrogância etc., que criam barreiras que impedem a libertação do nosso coração. Deus, porém, se importa conosco, na esperança de poder nos levar de volta para junto de sua vontade soberana mediante a conversão.

Como cristãos, membros do “Corpo de Cristo, recebemos a tarefa de anunciar o seu Evangelho até os confins da terra. A missão da Igreja não consiste em defender poderes, nem obter riquezas, mas é anunciar a Cristo. Ela tem muitos obstáculos, mas  Paulo nos anima: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus.” (Fl 1-6).

Assim como João Batista preparou o caminho para a chegada do Messias em seu tempo, hoje devemos preparar o caminho para a segunda vida de Cristo. Temos o chamado e a presença de Deus conosco. 

Encerro este texto com a 2ª estrofe do hino 424 do HE:  OBREIROS DESPERTAI !  

Vai conosco nosso insigne Capitão,
Que nos assegura plena salvação,
Arvorai da fé o invicto pavilhão.
Vamos, vamos, trabalhar.
Eia avante! Já não há o que temer,
Por Jesus havemos sempre de vencer.
Trabalhemos, sem jamais esmorecer,
Breve o dia vai findar.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.