IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902


Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Reflexões
Rio, 24/2/2019
 

Tragédias, não há respostas adequadas para elas

Pr. Luiz Daniel Nascimento


 

{...} escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram força, fizeram-se poderosos em guerra, {...} foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, mortos a fio de espada (Hebreus 11. 34 e 37).

 

É comum diante das tragédias, mesmo depois de encontradas as falhas humanas ou laudos técnicos que a provocaram, ainda ficar uma interrogação silenciosa: “não poderia o Deus todo poderoso ter evitado tais acontecimentos?” O escritor de Hebreus fala de duas situações envolvendo pessoas consideradas como exemplo de fé, totalmente tementes a Deus, mas com um final diferente em circunstâncias da vida, umas escaparam ao fio da espada e outras foram mortas a fio de espada.

Em Lucas 13.1-9, Jesus não dá explicação, nem justifica duas tragédias ocorridas sem que as vítimas merecessem. Diz que as vítimas não eram pessoas mais pecadoras que as outras, não tenta minimizar a presença da tragédia neste mundo, mas chama a atenção para a necessidade que todos nós temos de conversão, isto sim. 

Devemos aprender com Jesus quanto aos acontecimentos trágicos, e ainda que não desprezemos as investigações e ações da justiça, não encontraremos exatamente um porquê do acontecido. De sua “permissão”. E uma tentativa simplória até mesmo de justificar a Deus ou o diabo pelo ocorrido, resultará em resposta inadequadas.

  O livro Quando Coisas Ruins Acontecem às Pessoas Boas, na página 40 cita que uma antiga lenda chinesa fala de uma mulher cujo filho único morreu. Em sua dor, ela aproximou-se do mestre e disse: "De que orações ou de que encantamentos mágicos dispões para trazer de volta a vida de meu filho?" Em vez de manda-la embora ou argumentar com ela, ele lhe disse: "Traze-me um grão de mostarda de um lar que jamais conheceu a tristeza. Nós o usaremos para expulsar a tristeza de tua vida." A mulher partiu de imediato em busca do grão mágico de mostarda. Primeiro dirigiu-se a uma esplêndida mansão, bateu à porta e falou: "Estou procurando uma casa que nunca conheceu a tristeza. Esta casa é uma delas? É muito importante para mim.” Responderam-lhe: "Vieste ao lugar errado." E começaram a descrever-lhe as trágicas coisas que recentemente lhes tinham acontecido. A mulher pensou consigo mesmo: "Quem é capaz de ajudar a esses infelizes melhor do que eu, que tive minhas próprias desgraças?" E demorou-se algum tempo confortando-os. Para onde quer, porém, que se voltasse, para as choupanas ou para os palácios, ela só́ encontrava histórias de tristeza e desgraças. Ao final, ela se envolveu tanto em amenizar a dor das outras pessoas que esqueceu a busca da semente mágica de mostarda, não percebendo que acabara por expulsar a tristeza de sua vida.

Que a nossa vida possa transbordar do amor de Deus de maneira que superemos as nossas tristezas e ajudemos outros a encontrar conforto no Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.