IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Vida Cristã
Rio, 14/4/2007
 

Recuse-se a competir com perdedores (Maria Newnum)

Steve e Maria Newnum


 

Recuse-se competir com perdedores

O Filme Cars traz lições valiosas para quem deseja vencer sem perder a alma, seja no mundo dos negócios, seja nos negócios da vida. Se ainda não assistiu, prepare a pipoca. Vale a pena.

Às vezes mais vale abandonar a corrida a um metro da linha de chegada que levantar um troféu disputado com adversários imorais. Negar-se a competir com eles traz um gosto ímpar de vitória.

Vitória, desprovida de adversário a altura em ética, respeito e moral é mais inglória que o gosto amargo da uma derrota. No fundo o que “perde”, sabe, que se as regras tivessem sido respeitadas, ganharia com folga. O que ganha também sabe.

Uma pessoa vencedora sabe-se vencedora; apesar de um “aparente” fracasso nas disputas desleais pela vida afora.

Colecionar troféus invisíveis é certamente uma das grandes características que distinguem “os vencedores” dos vencedores sem honra.

Deixá-los cruzar, sozinhos, a linha de chegada, sem o calor respeitoso da arquibancada é o segredo para elevar o espírito competitivo no mundo dos negócios e na vida.

“Do que vale ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” Pergunta um texto bíblico. O sentido bíblico evoca questões espirituais. Mas o que são as vitórias, senão o que elas produzem de glorioso ao espírito humano? No fim, é a alegria do espírito que conta. E isso, nem sempre, se consegue com altos postos ou dinheiro.

Se durante as corridas, no trabalho e na vida, perceber que os adversários não estão a altura dos padrões aceitáveis para uma disputa honrosa, sente-se na pista e, em silêncio, assista-os “vencer”.

Logo verá que na linha de chegada, a arquibancada, também o receberá em silêncio.
Seus “troféus invisíveis”, ao final, não serão imperceptíveis nem mesmo aos “vencedores” desleais. Eles se saberão perdedores, mesmo quando romperem no peito a faixa de vitória; com sorrisos seus “vergonhosamente” amarelos.

Vamos combinar: Isso não tem preço.

É impossível haver glória quando se compete com perdedores.

Saiba-se vencedor, mesmo quando perder.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.