IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Ecologia
Rio, 21/4/2007
 

O gargalo ou a Sexta Extinção (Reinaldo José Lopes)

ZZ Outros Colaboradores ZZ


 

O gargalo

( Artigo de Reinaldo José Lopes, extraído de sua coluna Visões da Vida publicada no G1, o portal do Globo.com.
Endereço do artigo: http://g1.globo.com/Noticias/Colunas/0,,7412,00.html

“Se você quer uma imagem do futuro”, escreveu o britânico George Orwell no romance 1984, “imagine uma bota pisando num rosto humano – para sempre”. Longe de mim querer diminuir a força do pesadelo totalitário pintado por Orwell – a sombra dele nunca se afastou completamente do mundo nas seis décadas desde que o livro foi publicado – mas há outra imagem do futuro que deveríamos levar em conta, mais horrenda porque envolve não só os seres humanos, mas toda a vida na Terra. É a imagem de um gargalo – a de uma garrafa que se estreita de repente, de tal maneira que só parte do conteúdo dela é capaz de passar.

Caso a analogia tenha soado obscura, esclareço: “gargalo” também é o termo usado pelos biólogos para designar a morte em massa de uma população de seres vivos. Em um gargalo, a imensa maioria dos indivíduos de uma espécie, ou de um conjunto de espécies, é exterminada. Poucos são os que conseguem chegar do outro lado, e o destino daquela população é alterado de forma irreversível pelo processo. Não há outra maneira de interpretar os dados que temos hoje: dentro de menos de cem anos, metade das espécies de animais e plantas do planeta pode desaparecer, numa extinção em massa tão violenta quanto a que eliminou os dinossauros.

Entre os pesquisadores, ela já ganhou o apelido de Sexta Extinção, em referência aos outros cinco grandes eventos de extermínio maciço de espécies que marcam a história da Terra. O fato de que hecatombes do gênero já tenham ocorrido antes pode soar, para muita gente, como motivo para complacência. Afinal, a extinção é o destino de toda espécie, certo? Não há motivo para querer adiar o inevitável. Além do mais, as formas de vida mostraram uma capacidade impressionante de recuperação das outras vezes, repovoando o mundo com variedade renovada sempre que uma fase de extermínio era encerrada.

Creio que nós temos motivos suficientes para acreditar que essa conversa não passa de falácia. As regras do jogo mudaram – a começar pelo fato de que nunca na história deste país, digo, deste planeta, uma única espécie tinha sido a responsável pelo estado periclitante de todas as outras. Mas talvez você esteja franzindo as sobrancelhas, incrédulo. É justo: alguém já disse que afirmações extraordinárias exigem provas extraordinárias. Afinal, como sabemos que estamos bem no meio da Sexta Extinção?

O principal guia para a história da vida na Terra é o registro fóssil, que engloba os restos mineralizados de animais, plantas e, às vezes, microrganismos que se incorporaram às rochas desde que os seres vivos surgiram, há mais de 3 bilhões de anos. O registro fóssil é incompleto, sem dúvida (ter seus restos preservados para a posteridade é para poucos sortudos), mas um trabalho árduo de garimpagem e métodos estatísticos avançados ajudam a contornar parte dessa limitação.

Com base no que vemos nesse livro da Terra, é possível estimar o tempo de vida médio de uma espécie qualquer: mais que algumas centenas de milhares de anos e menos que alguns milhões. Cerca de 1 milhão de anos é uma boa média. O dado é corroborado por estudos genéticos de espécies muito próximas (como ursos pardos e ursos polares, por exemplo), que provavelmente são “irmãs”, ou seja, descendentes diretas de um mesmo ancestral comum recente. Em média, o tempo de divergência (ou separação) entre elas concorda com o esperado segundo o registro fóssil.

Admito que a estimativa é grosseira, mas é o suficiente. Se cada espécie dura, em média, 1 milhão de anos, e se sabemos que extinções ocorrem naturalmente o tempo todo, seria de esperar que, anualmente, uma espécie em 1 milhão sumisse. Examinemos o caso das aves, talvez o grupo de animais mais bem conhecido pela ciência. Existem cerca de 10 mil espécies de aves já catalogadas. Isso significa que o limite do nível “normal” de extinções entre elas seria a de uma só ave a cada 100 anos. Com muita sorte (se é que dá para usar a palavra nesse contexto triste), cada um de nós deveria presenciar no máximo uma, e somente uma, extinção de ave durante nosso tempo de vida.

Acontece que o registro histórico recente mostra algo assustador. Os sinais mais claros vêm das ilhas oceânicas, onde podemos datar com precisão a chegada tardia de seres humanos a ambientes antes intocados. É o caso das ilhas do Havaí, que receberam navegadores polinésios pela primeira vez por volta do ano 1000 da nossa era. Segundo a nossa conta, o esperado seria que dez espécies de aves, no mundo todo, desaparecessem de lá para cá. O registro fóssil, porém, mostra o sumiço, apenas no Havaí, de pelo menos 43 espécies. (O número verdadeiro é, provavelmente, muito maior: aves são bichos de esqueleto frágil, que em geral não se preserva por longos períodos.)

A conta para a Polinésia inteira é ainda mais assustadora: sendo conservador, fica em torno de mil espécies de aves numa escala de tempo de, no máximo, uns três milênios (número esperado de extinções no mundo todo: só 30).

A situação parece se repetir, às vezes de forma pior, em ilhas e continentes, entre outros grupos de animais e plantas. Se levarmos em conta o encolhimento até dimensões ridículas de muitos dos ecossistemas mais ricos do mundo (pense na mata atlântica do Brasil, com menos de 7% de área remanescente), é de esperar que muitas espécies tenham se extinguido ou chegado à beira da extinção sem que nós nem tenhamos ouvido falar delas. A maioria dos especialistas aposta que a taxa atual de extinções é entre cem e mil vezes mais rápida que a apontada como “normal” pelo registro fóssil – o suficiente para provocar o gargalo de 50% apontado no início desta coluna.

Há poucas dúvidas de que nós somos os culpados pelo assassinato planetário. A correlação entre o primeiro aparecimento de seres humanos em qualquer lugar antes desabitado da Terra e o sumiço de um caminhão de espécies – especialmente as grandes, apetitosas ou de interesse econômico – é forte demais. Não é preciso tecnologia ou capitalismo para virar exterminador: o primeiro impacto de agricultores da Idade da Pedra (como os polinésios) fala por si só.

Matamos com nossas mãos e armas, mas também com as lavouras que destroem habitats e com as espécies domesticadas de animais, plantas e microrganismos que carregamos conosco. Essas espécies invasoras, transplantadas para ambientes isolados cuja evolução não os preparou para enfrentá-las, mudam as regras do jogo da sobrevivência. Sem inimigos naturais no novo ambiente, tornam-se inimigas – vitoriosas – de todas as outras espécies.

As mudanças ambientais que o aquecimento global – causado pela ação humana – pode trazer são ainda mais desastrosas. As modificações correm o risco de ser tão severas que muitas espécies simplesmente não terão para onde correr. Verão toda a área cujas condições ambientais hoje permitem sua sobrevivência sumir do mapa, sem que áreas próximas possam servir de refúgio por meio da migração.

No que a extinção em massa causada pelo homem difere das outras cinco? Para começar, na escala de tempo. Só temos sinais claros de uma grande extinção cujos efeitos podem ter sido mais ou menos “instantâneos”: a da era dos dinossauros, que ocorreu há 65 milhões de anos e, ao que tudo indica, foi causada pela queda de um meteorito no atual golfo do México. Nos outros casos, as formas de vida parecem ter tido centenas de milhares de anos, ou talvez até alguns milhões, para se adaptar a condições ambientais que se deterioravam. Nossa ação sobre ecossistemas virgens só tem poucos milhares de anos de duração. Nesse ponto, somos mais parecidos com o meteorito fatídico.

Em princípio, porém, mesmo uma extinção abrupta abre espaço para que, no devido tempo, outras espécies tomem o lugar das que se foram. É nesse ponto que a ação humana parece particularmente ameaçadora, porque temos não só o poder de causar uma extinção em massa, mas também o de assegurar que a recuperação nunca aconteça, se resolvermos cruzar os braços.

Difícil de acreditar? Não se considerarmos que quase metade da matéria e energia produzida pela vida na Terra – mais precisamente 42%, um número que inevitavelmente me lembra O Guia do Mochileiro das Galáxias – já é apropriada exclusivamente pela humanidade. Mantidas as tendências atuais, os grandes ecossistemas virgens que ainda restam vão virar apenas sombras de si mesmos dentro de poucas décadas. A Terra agora é uma só: uma espécie invasora em potencial cruza o globo em 12 horas, pronta para semear destruição entre animais e plantas despreparados para enfrentá-la.

Tudo isso significa um mundo ecologicamente uniformizado, em que os mesmos tipos de ambiente – zonas urbanas, grandes áreas de agricultura intensiva – e os mesmos poucos tipos de espécies animais e vegetais, quase sempre pragas invasoras, predominam. Um mundo desses diminuiria radicalmente as oportunidades para que a evolução fizesse seu trabalho e reconstruísse a diversidade perdida. A uniformidade de ambientes impediria que o isolamento de certos indivíduos – por razões geográficas ou ecológicas – pudesse, ao longo do tempo, gerar novas espécies. Principalmente no caso dos vertebrados ou plantas com flores – as formas de vida que mais conhecemos e notamos –, a evolução poderia bater de cara contra um muro.

Agora, esqueça os argumentos sobre como criar um mundo desses seria um tiro no pé para a humanidade. Não que eu não os considere válidos, mas a minha sensação é que eles não atingem a raiz do problema. Alguém poderia muito bem argumentar que, se não sucumbir num conflito nuclear de larga escala ou algo do gênero, o Homo sapiens seria perfeitamente capaz de sobreviver num mundo desses. A questão é: será que queremos mesmo legar um mundo permanentemente empobrecido – junto com os pálidos registros audiovisuais de quão glorioso ele foi – para os nossos netos?

A nossa civilização passou as últimas décadas fugindo da idéia de pecado como o diabo da cruz. Ninguém mais quer saber de sentir culpa – por algumas razões boas, e outras tantas nem de longe tão boas. Independente da conotação religiosa da palavra, no entanto, acho difícil rebater o fato de que algumas coisas podem, sim, ser classificadas como pecado. É o mal cometido com plena consciência de suas conseqüências, mas que continua a ser praticado por ganância, luxúria ou simples preguiça, que merece esse nome. Sacrificar o futuro no altar do presente só porque, em longo prazo, “todos vamos estar mortos” – isso é pecado.

Essa é a escolha que este século recém-começado nos oferece. Não é tarde demais para agir. Nós sabemos o que fazer. A última coisa que vamos querer é atravessar o gargalo apenas para perceber que talvez não valesse a pena ter chegado do outro lado.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.