IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902


Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Metodismo
Rio, 27/8/2007
 

Linha do Tempo: cronologia abreviada do Metodismo Brasileiro - 1835 a 2006)

JosÚ Carlos de Souza


 


1835
• Rev. Fountain Elliot Pitts, da Igreja Metodista Episcopal, chega ao Rio de Janeiro para avaliar a possibilidade de estabelecer o trabalho missionário no Brasil.

1836
• Rev. Justin R. Spaulding instala a missão metodista no Brasil.

1837
• Rev. Daniel Parish Kidder e família, e os educadores, R. McMurdy e Marcella Russel, se juntam à atividade missionária.

1840
• Após a morte da esposa, Cynthia Harris, o Rev. Kidder retorna aos EUA. Mais tarde, Kidder oferecerá um fiel retrato da cultura brasileira e do trabalho missionário no país em suas Reminiscências de Viagens e Permanências nos Províncias do Sul (1o vol.) e do Norte (2º vol.) do Brasil.

1841
• O Rev. Spaulding volta ao seu país de origem. Dificuldades financeiras e falta de pessoal missionário, entre outros fatores, determinam o encerramento da missão metodista no Brasil.

1867
• Rev. Junius Eastham Newman, da Igreja Metodista Episcopal do Sul (IMES), acompanha, por iniciativa própria, os imigrantes do Sul dos EUA que, derrotados na guerra civil, procuram reconstruir suas vidas no Brasil.

1871
• Rev. Newman organiza, com nove membros, a 1ª Igreja Metodista em Saltinho, no interior de São Paulo. Em pouco tempo, o rol chegará a 51 membros.

1875
• O trabalho de Newman é oficialmente reconhecido pela IMES.

1876
• Rev. John James Ranson, o primeiro missionário, de fato, enviado de forma oficial pela IMES, chega ao Brasil.

1878
• O metodismo se estabelece no Rio de Janeiro, então a capital do Império Brasileiro
• Ranson traduz e publica o Compêndio da Igreja Metodista Episcopal.

1879
• Annie e Mary, filhas de Newman, organizam em Piracicaba o “Colégio Newman”, fechado, contudo, no ano seguinte.
• São recebidos, por profissão de fé, os primeiros brasileiros, todos da família Pacheco, na igreja metodista do Catete, Rio de Janeiro.

1880
• Morre de febre amarela Annie Ayres Newman Ranson que, seis meses antes, havia se casado com Ranson. O missionário vai aos EUA em busca de reforços para a missão no Brasil.
• O Rev. William Taylor, da Igreja Metodista Episcopal (IME ou Igreja do Norte), incentiva o estabelecimento no Norte e Nordeste do país, das assim chamadas missões de auto-sustento. Infelizmente todos essas iniciativas não tiveram continuidade. Justus Henry Nelson, que se fixa em Belém do Pará, onde permanece até 1925, é o missionário que mais se destaca nesse movimento missionário.

1881
• Retorno de Ranson ao Brasil. James L. Kennedy, James W. Koger e a educadora Martha Hile Watts acompanham-no.
• M. H. Watts funda em 13 de setembro o Colégio Piracicabano, o primeiro educandário metodista em terras brasileiras.
• O Rev. Koger organiza a Igreja Metodista em Piracicaba.

1882
• O Rev. George Benjamim Nind, integrando as missões de auto-sustento, atua em Recife de 1882 a 1892.
• É inaugurado o primeiro templo metodista no Brasil, da Igreja do Catete, RJ.

1883
• John W. Tarboux une-se à equipe de missionários em atuação no Brasil.

1884
• O metodismo se instala em Juiz de Fora e São Paulo.

1885
• O brasileiro João da Costa Corrêa e a jovem uruguaia Carmen Chaccon, ligados à Igreja Metodista Episcopal, dão início, a partir do Uruguai, ao trabalho missionário no Rio Grande do Sul. O Colégio Americano é fundado em Porto Alegre.
• Bernardo de Miranda é o primeiro brasileiro nomeado como pastor metodista.

1886
• Ranson publica o primeiro número do Methodista Catholico, órgão oficial do metodismo brasileiro (atual Expositor Cristão).
• Ranson volta definitivamente aos EUA.
• Koger falece, vítima da febre amarela.
• O Bispo John C. Granbery, o primeiro a visitar o Brasil, organiza a primeira Conferência Anual do metodismo no Brasil, da qual participa o chamado ”trio de ouro”: J. L. Kennedy, Hugh Clarence Tucker e J. W. Tarboux. Nesse momento, o metodismo contava com 214 membros e 6 pregadores locais.
• No Norte do país, como parte das missões de auto-sustento, o metodismo (IME) alcança a cidade de Manaus. O Rev. Marcus Ellsworth Carver, responsável por esse trabalho desde dezembro de 1886, no entanto, funda a Igreja Evangélica Amazonense (1889), rompendo com o metodismo.

1889
• Os estatutos da Associação da Igreja Metodista Episcopal do Sul, no Brasil, são oficialmente aprovados pelo Governo Republicano brasileiro.

1890
• Funda-se o Instituto Granbery em Juiz de Fora.

1894
• O Rev. Frank R. Spaulding reinicia a missão metodista em Manaus. Porém, as dificuldades inerentes ao sistema de sustento próprio obrigam-no a retornar aos EUA três anos depois. A jovem igreja metodista torna-se a Primeira Igreja Batista de Manaus.

1899
• A atividade missionária no Rio Grande do Sul é transferida para a IMES.
• Leonora Dixon Smith funda o Colégio Metodista em Ribeirão Preto.

1904
• Funda-se o Colégio Isabela Hendrix, em Belo Horizonte, sob a direção de Martha Watts.
1906
• Constitui-se a Missão Sul Brasileira.
• Hugh C. Tucker estabelece a “Missão Central” em salão alugado para atender à favela da Saúde de Gamboa, no Rio de Janeiro, dando início ao que viria tornar-se o Instituto Central do Povo, o primeiro centro social organizado no Brasil.

1907
• Funda-se o Colégio União em Uruguaiana, RS

1910
• Organiza-se a Conferência Anual Sul Brasileira, abarcando o RS.

1918
• Funda-se o Colégio Noroeste em Birigui, SP

1919
• Organiza-se a Conferência Anual Central Brasileira.
• Funda-se o Porto Alegre College, RS.

1920
• Funda-se o Instituto Educacional de Passo Fundo, RS, sob direção de Jerônimo W. Daniel.

1921
• Funda-se o Colégio Bennett no Rio de Janeiro.

1922
• Funda-se o Colégio Centenário em Santa Maria, RS, sob a direção de Eunice Andrew e Louise Best.

1924
• O Rev. Guaracy Silveira reúne, na igreja do Brás, os pastores nacionais para considerar a questão da autonomia do metodismo brasileiro (6 a 9 de março). Elabora-se o Grande Plano visando o auto-sustento da Igreja.

1925
• Justus H. Nelson deixa Belém do Pará. O sistema de auto-sustento não produziu, no Brasil, os frutos esperados. Nenhuma das iniciativas nessa direção foi incorporada pela IMES.

1927
• Realização da primeira Conferência Central (9 a 12 de outubro), em São Paulo, fortalecendo o processo que levou à autonomia do metodismo brasileiro.
• Nesse ano, registra-se a existência de aproximadamente 40 escolas paroquiais com cerca de 2.000 alunos.

1928
• James L. Kennedy publica Cincoenta Annos de Metodismo no Brasil.
• Funda-se o Instituto Americano de Lins, SP.

1929
• Realização da segunda Conferência Central (14 a 20 de agosto), em São Paulo, passo decisivo para a autonomia da Igreja Metodista no Brasil.
• Metodistas tomam parte na Missão entre os indígenas Caiuá, em Dourados, por intermédio de Nelson Araújo, formado pelo Granbery e em medicina pela Universidade Federal.

1930
• Autonomia da Igreja Metodista do Brasil – IMB (2 de setembro).
• Primeiro Concílio Geral em São Paulo (2 a 9 de setembro).
- Adota-se provisoriamente a legislação e o Credo Social da IMES.
- John W. Tarboux é o primeiro bispo eleito da IMB.
- As estatísticas assinalam que a IMB possui 15.560 membros e 18.092 alunos nas Escolas Dominicais.
• O Rev. Antônio P. Rolim é enviado à Ilha da Madeira, para dar continuidade ao trabalho missionário que a IMES confiara ao metodismo brasileiro.

1934
• II Concílio Geral da IMB em Porto Alegre (4 a 19 de janeiro).
- Credo Social é reformulado e se aprova a legislação que viria a se constituir nos primeiros Cânones da IMB.
- O Revmo. Bispo Tarboux é reeleito e César Dacorso Filho é o primeiro brasileiro a alcançar o episcopado da IMB. Será reeleito sucessivas vezes até 1955, quando resigna. Torna-se, então, Bispo Emérito.
• A IMB adere à Confederação Evangélica Brasileira, desde a sua constituição.

1938
• III Concílio Geral da IMB em Juiz de Fora (6 a 19 de fevereiro).
- Decide-se criar a Faculdade de Teologia, fruto da fusão das Faculdades do Granbery e de Porto Alegre. O Rev. Sante Uberto Barbieri, reitor eleito, resigna à função e é substituído pelo Rev. Paul Eugene Buyers, missionário estabelecido no Brasil desde 1910.

1940
• O Bispo Tarboux falece em 2 de maio.
• Começa a circular, no Brasil, o No Cenáculo, tradução do devocionário The Upper Room.

1941
• A Faculdade de Teologia, instalada inicialmente à Rua Cubatão, na Vila Mariana, São Paulo, transfere-se definitivamente para o Bairro dos Meninos, atual Rudge Ramos, em São Bernardo do Campo, onde está até hoje.

1942
• IV Concílio Geral da IMB em Piracicaba (8 a 19 de fevereiro).
- São criadas duas ordens leigas: das “Irmãs Dorcas”, para as mulheres, e dos “Companheiros de Timóteo”, para os homens. Por diversas razões, tais ordens não prosperaram, porém, constituíram-se em sementes da futura Ordem das Diaconisas.
- A IMB aceita o convite do CMI (Conselho Mundial de Igrejas), ainda em processo de formação, e adere formalmente a esse organismo mundial. É a primeira Igreja da América Latina a fazê-lo.

1946
• V Concílio Geral da IMB em Piracicaba (14 a 26 de fevereiro).
- A Igreja passa a ter três bispos. Além do Bispo César Dacorso Filho, são eleitos: Cyrus B. Dawsey e Isaías Fernandes Sucasas.
- Rev. Benedito Natal Quintanilha é enviado para Salvador, BA, marcando a expansão do metodismo no Nordeste.
- Cria-se a Ordem das Diaconisas “para a obra educativa, social e evangelizante da Igreja”.
• Rev. Guaracy Silveira, eleito deputado, participa da Assembléia Nacional Constituinte. É o único evangélico a colaborar na elaboração de duas Constituições, porquanto também havia sido eleito em 1933.

1950
• VI Concílio Geral da IMB em Porto Alegre (12 a 25de fevereiro).
- Aprova-se o programa “Avante por Cristo”.
- O Instituto Metodista de Ribeirão Preto, que visava o preparo de jovens do sexo feminino para as atividades da Igreja, torna-se instituição geral e é transferido para São Paulo.

1955
• VII Concílio Geral da IMB no Rio de Janeiro (19 a 21de julho).
- São eleitos Bispos Eméritos: Cyrus B. Dawsey e César Dacorso Filho.
- Novos Bispos: Isaías Fernandes Sucasas (reeleito); José Pedro Pinheiro; João Augusto do Amaral.
- Aprova-se nova divisão das Regiões Eclesiásticas, agora em número de cinco, adotando-se a seqüência numérica que corresponde à ordem histórica.
- Cria-se o Departamento Geral de Previdência (DGP) para os pastores.

1957
• O Bispo Isaías Fernandes Sucasas se estabelece em Brasília para implantar a Igreja Metodista na futura capital brasileira.

1959
• O Rev. Dorival R. Beulke dá início à obra metodista em Recife, PE.
• I Concílio Geral Extraordinário (7 e 8 de março) para aprovar os planos de construção da Faculdade de Teologia.

1960
• VIII Concílio Geral da IMB em Juiz de Fora (10 a 20 de julho).
- Cria-se a Departamento Geral dos Periódicos da Igreja.
- Credo Social é inteiramente reformulado.
- Por iniciativa da Junta Geral de Ação Social, cria-se uma Comissão Ecumênica.

1965
• IX Concílio Geral da IMB no Rio de Janeiro (10 a 20 de julho).
- Cria-se a VI Região Eclesiástica (Paraná e Santa Catarina).
- Bispos reeleitos: José Pedro Pinheiro e João Augusto do Amaral.
- Novos Bispos: Almir dos Santos; Oswaldo Dias da Silva; Nathanael Inocêncio do Nascimento; Wilbur K. Smith.
- Aprova-se, na prática, a vitaliciedade para o episcopado.
- Metodismo chega a Aracaju, SE.
- A Ordem das Diaconisas é integrada à Ordem Leiga.

1967
• Criação do COGEIME – Conselho Geral das Instituições Metodistas de Ensino (22 de abril).
• Forma-se a Igreja Metodista Wesleyana, como resultado de cisão na IMB.
• Crise no Instituto Bennett
• Dom Helder Câmara é paraninfo na FT.

1968
• O metodismo chega a Fortaleza, CE.
• Fechamento da Faculdade de Teologia.
• Concílio Geral Extraordinário se reúne para discutir questões da FT.
• O Instituto Metodista é transformado em Centro de Estudos da IMB.

1970
• X Concílio Geral da IMB em Belo Horizonte (julho). O Concílio é interrompido e retomado em janeiro do ano seguinte no Rio de Janeiro.
- A Igreja Metodista destaca sua dimensão universal ao excluir a cláusula “do Brasil” do nome adotado desde 1930.
- Grandes alterações canônicas.
- O Conselho Central, composto por 15 brasileiros e 15 missionários, que, desde a autonomia, arbitrava as relações com a Igreja Americana, é dissolvido.
- O Gabinete Episcopal é substituído pelo Conselho Geral que também assume algumas das funções do extinto Conselho Central. Juntas Gerais são substituídas por Comissões que integram o Conselho Geral.
- O episcopado volta a ser temporário e a eleição dos bispos passa para os Concílios Regionais.
- Aprova-se que o acesso à ordem presbiteral é “sem distinção de sexo”.
- O Credo Social é novamente reformulado
- Cria-se o Instituto Metodista de Ensino Superior, em julho (IMS). O primeiro vestibular se realiza no ano seguinte (Letras, Pedagogia e Psicologia).
- O Bispo Nathanael Inocêncio do Nascimento renuncia ao episcopado e o Bispo Almir dos Santos assume a superintendência da 1ª RE. Os Bispos João Augusto do Amaral e José Pedro Pinheiro se aposentam.

1971
• Bispos são eleitos e reeleitos nos respectivos Concílios Regionais: Almir dos Santos (1ª RE); Alípio da Silva Lavoura (3ª RE); Omar Daibert (4ª RE); Oswaldo Dias da Silva (5ª RE); Sady Machado da Silva (2ª RE); e Wilbur K. Smith (6ª RE) que passam a compor o Colégio Episcopal.

1974
• XI Concílio Geral da Igreja Metodista no Rio de Janeiro (4 a 14 de julho).
- Aprovação do Plano Quadrienal (1975-1978) com o tema “Missão e Ministério”.
• É eleita e ordenada, no Concílio da 3ª RE, a primeira presbítera da Igreja Metodista no Brasil, a Revda. Zeni Lima Soares.

1975
• Somente a 4ª RE, elege novo bispo: o Rev. Moacyr Louzada Machado. Os demais são reeleitos nos respectivos Concílios Regionais.
• A UNIMEP – Universidade Metodista de Piracicaba – é reconhecida oficialmente (10 de outubro).

1977
• São eleitos, nos respectivos Concílios Regionais, os Bispos Nelson Luiz Campos Leite (3ª RE), em substituição a Revmo. Alípio da Silva Lavoura, falecido, e Paulo Ayres Mattos (1ª RE), em substituição ao Revmo. Almir dos Santos, aposentado.

1978
• XII Concílio Geral da Igreja Metodista em Piracicaba (23 a 30 de julho).
- Aprovação do Plano Quadrienal (1979-1982) com o tema “Unidos pelo Espírito, Metodistas Evangelizam”.
- São criadas as Regiões Missionárias.
- Eleição para o episcopado volta a ser realizada no Concílio Geral. São eleitos ou reeleitos para compor o Colégio Episcopal: Paulo Ayres Mattos (1ª RE); Sady Machado da Silva (2ª RE); Nelson Luiz Campos Leite (3ª RE); Moacyr Lousada Machado (4ª RE); Messias Andrino (5ª RE); Richard dos Santos Canfield (6ª RE).

1979
• Crise na FT. Processo equivocado de eleição do novo reitor leva a maioria dos professores de tempo integral a solicitar a sua demissão.

1980
• UNIMEP recebe o primeiro congresso da União Nacional de Estudantes (UNE) após longo período de repressão da ditadura militar.

1981
• Realiza-se a Consulta Nacional sobre a Vida e a Missão da Igreja.

1982
• XIII Concílio Geral da Igreja Metodista em Belo Horizonte (18 a 28 de julho)
- Aprovação do Plano Para a Vida e a Missão da Igreja Metodista; das Diretrizes para a Educação da Igreja Metodista e do Plano Diretor Missionário.
- Profundas alterações canônicas. Poder deliberativo volta aos Concílios. É assegurada a cada igreja local representação nos Concílios Regionais. Composição dos Conselhos Regionais e Geral tem por base a estrutura dos Conselhos Locais.
- São eleitos e reeleitos bispos da Igreja: Paulo Ayres Mattos (1ª RE); Isac Alberto Rodrigues Aço (2ª RE); Nelson Luiz Campos Leite (3ª RE); Adriel de Souza Maia (4ª RE); Messias Andrino (5ª RE); Richard dos Santos Canfield (6ª RE).
- Aprova-se a adesão da Igreja Metodista ao Conic (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs) e ao CLAI (Conselho Latino-americano de Igrejas).

1987
• XIV Concílio Geral da Igreja Metodista em São Bernardo do Campo (15 a 23 de julho).
- Bispos eleitos e reeleitos: Paulo Tarso de Oliveira Lockmann (1ª RE); Isac Alberto Rodrigues Aço (2ª RE); Nelson Luiz Campos Leite (3ª RE); Adriel de Souza Maia (4ª RE); Scilla Franco (5ª RE); Richard dos Santos Canfield (6ª RE). Paulo Ayres Mattos é o primeiro bispo eleito para superintender a REMNE, Região Missionária do Nordeste, criada por decisão do Concílio Geral.
- Aprovação do Programa “Dons e Ministérios”: igrejas locais são desburocratizadas e organizadas em ministérios
- Aprova-se o Plano Nacional de Educação Teológica (PNET), com os seguintes eixos centrais: unidade, descentralização e integração da formação teológica. O Curso Básico (2 anos) é oferecido em instituições regionais e o Curso Teológico Pastoral (3 anos), na Faculdade de Teologia.
- Intervenção na Imprensa Metodista.

1991
• XV Concílio Geral da Igreja Metodista em Juiz de Fora (5 a 13 de julho).
- O Revmo. Nelson Luiz Campos Leite, após 14 anos de episcopado, declara não ser candidato à reeleição.
- Pela primeira vez, igrejas locais participam do processo de eleição dos bispos, indicando os candidatos de sua preferência. São eleitos oito bispos: Paulo Tarso de Oliveira Lockmann; Stanley da Silva Moraes; Geoval Jacinto da Silva; Adriel de Souza Maia; João Alves de Oliveira Filho; Richard dos Santos Canfield; Paulo Ayres Mattos; e Lino Estevão de Magalhães Leite.
- Celebração memorial homenageia os bispos falecidos durante o período eclesiástico: Revmo. Scilla Franco e Revmo. Isac Aço.
- A Bahia é incorporada à REMNE.
- O tema ministerial aprovado para o próximo período eclesiástico (6 anos) é: “Igreja: comunidade missionária a serviço do povo”.
• Lino Estevão de Magalhães Leite, bispo eleito e designado para os Campos Missionários do Norte e Noroeste, renuncia ao episcopado (6 de setembro).
• Concílio Extraordinário em São Bernardo do Campo, 26 de outubro, elege Rozalino Domingos como primeiro bispo residente designado para os Campos Missionários do Norte e Noroeste.

1996
• Realiza-se, na cidade do Rio de Janeiro, a XVII Conferência Mundial Metodista.

1997
• XVI Concílio Geral da Igreja Metodista em Belo Horizonte (1ª fase em fevereiro) e Piracicaba (2ª fase em julho).
- Conflitos na 3ª RE são debatidos na 1ª fase.
- Bispos Paulo Ayres Mattos e Richard dos Santos Canfield aposentam-se e são eleitos Bispos Eméritos.
- O Colégio Episcopal, após a eleição, fica assim composto: Paulo Tarso de Oliveira Lockmann; Rozalino Domingos; Adolfo Evaristo de Souza; Josué Adam Lazier; João Alves de Oliveira Filho; João Carlos Lopes; Adriel de Souza Maia; David Ponciano Dias.
- O lema “Igreja: comunidade missionária a serviço do povo” e a ênfase em “Dons e Ministérios” são mantidos.
- Afirma-se um Pacto de Fé: “Ano Aceitável do Senhor”.
- Efetuam-se mudanças na estrutura canônica. Criam-se, nos diferentes níveis de administração, os órgãos colegiados: COGEAM, COREAM, CODIAM & CLAM.
- Decide-se criar o “Sistema Metodista de Educação”, integrando as áreas de educação cristã, teológica e secular.
- O IMS volta a ser administrado pela área geral e, em 26 de junho, é reconhecido oficialmente como universidade, adotando o nome UMESP (Universidade Metodista de São Paulo).

1998
• Por decisão do XVI Concílio Geral, trinta anos após a crise na Faculdade de Teologia e com a mocidade metodista, comemora-se o Ano de Contrição e Chamado à Tolerância, na esperança de que a Igreja possa “aprender com história e exercitar o amor cristão na vivência cotidiana”. O encontro de estudantes e professores, expulsos da instituição em 1968, na FT é o ponto forte dessa celebração.

2000
• As estatísticas oficiais da Igreja Metodista registram 138.172 membros.

2001
• XVII Concílio Geral em Maringá, PR (7 a 14 de julho)
- Elege-se a primeira mulher para o episcopado da Igreja Metodista no Brasil. Assim fica constituído o Colégio Episcopal para o próximo período eclesiástico: Paulo Tarso de Oliveira Lockmann (1ª RE); Luiz Vergílio Batista (2ª RE); Adriel de Souza Maia (3ª RE); Josué Adam Lazier (4ª RE); João Alves de Oliveira Filho (5ª RE); João Carlos Lopes (6ª RE); Marisa Ferreira Freitas Coutinho (REMNE); e Adolfo Evaristo de Souza (Campos Missionários da Amazônia).
- É concedido o título de Bispo Emérito ao Revmo. David Ponciano Dias, falecido no ano anterior, bem como ao Revmo. Rozalino Domingos, que se aposenta.
- Aprova-se o Plano Nacional e o início do processo para a criação da Universidade Metodista do Brasil.
- Reafirma-se a herança ecumênica do metodismo histórico ao confirmar a permanência da Igreja no CONIC.

• O curso de Bacharel em Teologia da Faculdade de Teologia é oficialmente reconhecido pelo Conselho Nacional de Educação (20 de julho).

2002
• O Bispo Adriel de Souza Maia é eleito presidente do CONIC.

2003
• Comemoram-se os 300 anos do nascimento de John Wesley

2005
• Pela 2ª vez, a Campanha da Fraternidade, com o tema Solidariedade e Paz, é promovida pelo CONIC. A Igreja Metodista fica oficialmente de fora, mas faculta a participação individual de metodistas.

2006
• Nos dias 14 a 23 de fevereiro, metodistas brasileiros participam, em Porto Alegre, RS, da 9ª Assembléia do Conselho Mundial de Igrejas – a primeira realizada na América Latina –, que se reuniu sob o tema “Deus, em tua graça, transforma o mundo”.
• Reúne-se o XVIII Concílio Geral em Aracruz, ES, nos dias 10 a 16 de julho (1ª fase) e em São Bernardo do Campo, SP, dias 12 a 14 de outubro (2ª fase).
- A primeira fase é marcada por grandes tensões, envolvendo, principalmente, as eleições episcopais e a questão do ecumenismo.
- É aprovado o Plano Nacional Missionário.
- Decide-se transformar o Campo Missionário da Amazônia (CMA) em Região Missionária da Amazônia (REMA).
- O Colégio Episcopal eleito para o próximo período eclesiástico ficou constituído como segue: Paulo Tarso de Oliveira Lockmann (1ª RE); Luiz Vergílio Batista (2ª RE); Adriel de Souza Maia (3ª RE); Roberto Alves de Souza (4ª RE); Adonias Pereira do Lago (5ª RE); João Carlos Lopes (6ª RE); Marisa Ferreira Freitas Coutinho (REMNE); e Adolfo Evaristo de Souza (REMA).
- Com 79 votos a favor, 50 contra e 4 abstenções, o Concílio aprova a proposta de que a Igreja Metodista se retire de “órgãos ecumênicos com a presença da Igreja Católica e grupos não cristãos”.
- Decide-se criar a Rede Metodista de Educação.
- Já na segunda fase, é aprovada a proposta de organização da Ordem Diaconal.
- Decide-se reduzir o número de secretários executivos nacionais.
- Realizam-se eleições para composição da COGEAM, Comissão Geral de Constituição e Justiça e Conselho Fiscal da Associação da Igreja Metodista.
- Delibera-se que os Superintendentes Distritais serão escolhidos pelos Bispos a partir de lista tríplice dos Concílios Distritais e que estudantes do último ano do curso teológico, conforme necessidade das regiões, podem receber o título de pastores acadêmicos e exercer o seu ministério em igrejas locais.
- Decide-se conceder o título de Bispos Honorários ao Rev. Stanley da Silva Moraes, ao Rev. Geoval Jacinto da Silva, e ao Bispo Josué Adam Lazier por solicitação das 2ª, 3ª e 4ª Regiões Eclesiásticas, respectivamente.
- Bispos declaram que a Igreja Metodista não deixou de ser ecumênica e que o assunto deve ser aprofundado por um Grupo de Trabalho a ser designado pelo Colégio Episcopal, com pessoas favoráveis e contrárias à participação da Igreja em órgãos ecumênicos.
• A Igreja Metodista se retira do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) e da Coordenadoria Ecumênica de Serviços (CESE). Igrejas irmãs lamentam pelos prejuízos não somente para o movimento ecumênico, mas sobretudo para o testemunho cristão na sociedade brasileira.
• A adesão do Conselho Mundial Metodista – reunido em Seul, na Coréia do Sul, nos dias 20 a 24 de julho –, à Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação, assinada por católicos romanos e luteranos no ano de 1999, é considerada um marco para o movimento ecumênico na atualidade.
Prof. José Carlos de Souza


OBS: Este texto foi publicado originalmente no Anuário Litúrgico 2007. São Bernardo do Campo: EDITEO, 2007, p. 218-229.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.