IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Vida Cristã
Rio, 16/9/2007
 

Tende o mesmo sentimento uns para com os outros... (Rev. Azoil Zerbinato)

ZZ Outros Colaboradores ZZ


 

"Tende o mesmo sentimento uns para com os outros...”
(Rm 12.16a - versão Almeida, Revista e Atualizada)

A Bíblia de Jerusalém tem uma tradução diferente, com as seguintes palavras: “Tende a mesma estima uns pelos outros, sem pretensões de grandeza, mas sentindo-vos solidários com os mais humildes: não vos deis ares de sábios.” E na Bíblia na Linguagem de Hoje, da SBB, o texto é apresentado da seguinte forma: “Vivam em harmonia uns com os outros. Não sejam orgulhosos, mas aceitem serviços humildes. Não se julguem sábios.”

Outras versões, ao invés de dizerem “...Tende o mesmo sentimento...”, preferem a tradução que diz “Tende a mesma atitude mental”, ao passo que ainda outras acham melhor dizer “Viver em harmonia uns com os outros...” .

Em relação ao sentimento é interessante optar pelos significados de boas qualidades morais uns com os outros. Ser sensível e perceptivo em relação às necessidades materiais, emocionais e espirituais uns dos outros. Na comunidade terapêutica todos são nivelados pela igualdade. Não deveria existir grandes e pequenos, fortes e fracos.

A comunidade sadia é o lugar adequado para atenuar, incentivar, curar e restaurar relacionamentos. A Igreja é uma das poucas instituições que tem a missão de incluir os rejeitados desse mundo. Por isso, ela precisa ser um espaço para a recuperação da auto-estima, onde as pessoas são apreciadas, valorizadas, apoiadas e compreendidas.

Possivelmente a parte do versículo que serve como título dessa reflexão, possa ser substituída, sem nenhuma agressão à exegese bíblica, por “antecipai-vos uns aos outros nas manifestações de apreço.”. Isto sugere a idéia de uma corrida de irmãos e irmãs, na Comunidade Local, para apreciar, considerar e elogiar uns aos outros.

A igreja como família, é governada pelos princípios divinos, sob a orientação e a graça do Espírito Santo. Não é lugar para projeção de qualquer espécie. Não tem lugares marcados. Não pode existir barreiras de gênero, racial ou econômica. Na família da fé se existirem “maiores” devem estar a serviço dos menores. Nenhum dom espiritual, ou habilidades pessoais, ou antigüidade pode servir de pretexto para subordinar aos outros.

O rebanho necessita de guardiões para impedir que as conspirações, os levantes, as anarquias e os demais conflitos de poder, originados no egoísmo, orgulho e auto-exaltação, arrebentem com a unidade da igreja. Às vezes, o contágio da comunidade é tão profundo que todos têm o mesmo sentimento de inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções e invejas.

O amor que permeia a comunidade de fé é aquele que busca os interesses alheios, especialmente, das crianças, mulheres, negros, dependentes químicos, deficientes físicos, órfãos, viúvas, e outras pessoas que, em função da formação cultural ou do poder econômico, exercem menor influência no grupo. A ordem bíblica é que haja sentimento no singular. A pluralidade de sentimento ou sentimentos diferenciados põem em risco a estabilidade da comunidade.

Jesus Cristo entrou na fila de batismos, ficando entre pessoas que eram marginalizadas, pecadoras de todos os tipos de regiões. Elas olhavam e conversavam com Ele, sem entender a razão da sua presença naquele lugar, mas Ele compartilhava do mesmo sentimento delas. Este fato está em consonância com as palavras de Crisóstomo: “Isto é, rebaixaí-vos até à sua condição humilde, andando ou caminhando ao lado deles; não sendo humildes tão-somente na atitude mental, mas ajudando-as igualmente, e estendendo a mão para eles.”

Tende o mesmo sentimento de paz, comunhão, reconciliação, perdão, solidariedade, respeito, compreensão, estima, consideração, serviço, ajuda, bondade, lealdade, transparência, alegria, mansidão e domínio próprio uns para com os outros.

Reúna a sua família para discutir esse texto, e respondam as seguintes perguntas: Temos o mesmo sentimento uns com os outros, em nossa família e em nossa igreja? Quais são os sentimentos que têm causado dificuldades para a nossa família e igreja? Quais são os sentimentos que merecem ser preservados?

Do seu amigo

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.