IGREJA METODISTA EM VILA ISABEL
Fundada em 15 de Junho de 1902

Boulevard Vinte e Oito de Setembro, 400
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20551–031     Tel.: 2576–7832


Igreja da Vila

Aniversariantes

Metodismo

Missão

Artigos e Publicações

Galeria de Fotos

Links


Graça de Deus
Rio, 11/10/2007
 

A Graça de Deus e a Redenção Humana

ZZ Outros Colaboradores ZZ


 

TEXTOS BÍBLICOS

LEIA EM SUA BÍBLIA
DE SEGUNDA A DOMINGO
. SL.63.3
. JO. 1.16-17
. EF. 2.1-10
. GL.1.6-7; 2.19-21
. I CO. 15.10
. HB. 12.28; 13.9
. I PD. 5.10-12; 3.18;1.13

DAVID SEAMANDS, pastor metodista e escritor, esteve conosco no Brasil duas vezes, a última n o Encontro Nacional de Pastores (as), em Grussai, em 1998. Num de seus livros, O PODER CURADOR DA GRAÇA (ED. VIDA), ele faz uma afirmativa significativa e desafiadora :

“Há muitos anos , cheguei à conclusão de que as duas causas principais da maioria
dos problemas emocionais entre os cristãos evangélicos são estas:
1. O fracasso em ENTENDER, RECEBER E VIVER a graça e o perdão incondicionais de Deus;
2. E o fracasso de DISTRIBUIR esse amor, perdão e graça incondicionais aos outros...

Nós lemos, ouvimos, cremos em uma boa teologia da graça. Mas não é assim que VIVEMOS. As boas novas do Evangelho da Graça não penetram no nível de nossas e moções”.

O livro MARAVILHOSA GRAÇA, de Philip Yancey, (Ed.Vida), cita este texto no capítulo introdutório de seu extraordinário texto.

ESSA AFIRMATIVA É VERDADEIRA quando analisamos o estilo de vida cristã buscado hoje.

Eu falo a respeito da centralidade de nossas certezas, segurança e convicções encontrar-se n o que VEMOS, SENTIM OS, FAZEMOS... É uma convicção fundamentada naquilo que fazemos. Se nào fizermos, não sentirmos, não vermos não temos segurança, certeza e nem paz.

Esse tipo de espiritualidade é um espiritualidade sem-graça e sem a GRAÇA, totalmente fundamentada em nossos pensamentos, nossas emoções e nossos atos. No centro do relacionamento que temos com Deus e o próximo está o Ser Humano (humanism o) e não Deus e sua ação graciosa.

Procure analisar os movimentos religiosos atuais, suas ênfases e buscas e você verificará essa tendên cia contraditória entre confiar na acão graciosa e incondicional do amor divino expresso em Sua Graça e confiar em nosso relacionamento com Deus a partir de nós mesmos - o que cremos, pensamos, sentimos e fazemos para Deus.

Uma das coisas que nos afeta é que nós, também, temos sido sensibilizados e tentados a fundamentar a n ossa espiritualidade nesses mesmos v alores - o nosso desempenho, as nossas em oções, o nosso sentir, tudo quanto realizamos visando agradar e conquistar o mérito do amor divino.


O FUNDAMENTO BÁSICO DAQUILO QUE DEUS É E FAZ É A SUA GRAÇA.

A doutrina da Graça divina é fundamental na Fé Cristã. A Bíblia nos afirma que tudo é pela Graça. A Graça faz possível a manifestação do Amor divino, da Sua Misericórdia, da Sua Justiça,da Sua Longaminidade, do Seu Perdão e do Seu Acolhimento.


Salmo 63.3 nos afirma:

“Porque a Tua Graça é melhor do que a vida, os meus lábios te louvam”.

Algumas traduções afirmam que a Graça é maior do que a vida. Sim, tudo é pela graça. A Graça faz com que Deus nos crie, nos sustente,nos santifique, nos salve, nos dê a vida eterna e faça possível a consumação final do Seu Reino. Tudo é pela Graça e essa Graça foi manifesta e continua sendo expressa através do Pai, do Filho e do Espírito Santo.


UMA TENDÊNCIA DESDE A IGREJA PRIMITIVA

A tendência de descentralizar a Graça de Deus do Evangelho surge desde os tempos da Igreja Primitiva. No contexto apostólico surge a tensão Lei e Graça. Foi m uito difícil no contexto do judaísmo aceitar-se a Graça como o centro do relacionamento entre Deus e o Ser Humano. Vem os no liv ro dos Atos dos Apóstolos, em muitas cartas paulinas esta contínua tensão Lei (desempenho humano) e Graça divina (aceitação imerecida e incondicional de Deus).

Após Paulo ter estabelecidos div ersas igrejas e tê-las fundamento na Graça ele se vê tendo que instruir e disciplinar os cristãos gentílicos e oriundos do judaísmos nesta questão.

Um exemplo claro encontramos no texto de Gálatas 1.6-7:

“Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na GRAÇA DE CRISTO para outro evangelho; o qual é outro não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o Evan gelho de Cristo”.

Ele afirma que mesmo um ANJO venha do céu e vos traga um outro evangelho, seja considerado anatema. Ninguém tem autoridade divina, com revelação ou sem revelação de pregar um outro evangelho a não ser o Evangelho da Graça de Cristo.

Mais adiante Paulo fala: “De Cristo vos desligastes vós que procurais justificar-vos na lei. Da Graça decaístes. Gl.5.4


Há muita fascinação no campo da religiosidade. Paulo afirma que m uitos que começaram na Graça e no Espírito estão, agora aperfeiçoando-se na carne .Gl.3.

Essa tendência ocorrida no contexto da Igreja Primitiva constantemente tem retornado. Hoje vivemos um momento onde a m ensagem do Evangelho tem sido deturpada por tantos outros evangelhos, onde a graça divina é deixada de lado sendo substituída por visões, emocionalismo, desempenho de uma série de atos e artifícios que visam dar segurança às pessoas e conseguir conquistas pessoais e comunitárias.


AQUI PODEMOS REPETIR O QUE JEREMIAS APRESENTOU AO POVO DE ISRAEL AO DEIXAREM O SEU PRIMEIRO AMOR:FIDELIDADE À GRAÇA DO SE NHOR.

Jeremias 2.9-19, destacando o seguinte:”O meu povo trocou a sua glória por aquilo que é de nenhum proveito (11). Dois m ales cometeu o meu povo:
a- A MIM me deixaram - O MANANCIAL DE ÁGUAS VIVAS;
b- Cavaram cisternas rotas, cisternas que não retém as águas

Espantaivos disto, ó céus e horrorizai-vos! Ficai estupefatos,diz o Senhor. (12-13)

ANTES Israel era fiel, consagrado ao Senhor, pleno de aféto:”Lembro-me de ti, da tua afeição quando eras jovens, e do teu amor quando noiva, e de como me seguias no deserto, numa terra em que não se semeia”Jr.2.2.

Jeremias clama ao povo para o retorno a um relacionamento co m Deus fundamentadona Graça, na contínua misericórdia que Ele dispensava aos seus escolhidos gratuitamente.Havia tido a perda do trajeto pelo povo de Deus.Deveriam retornar àquele que é o Manancial no lugar de fazerem cisternas rotas que não retém a água.

Paulo faz o mesmo chamando a sua comunidade a deixar os caminhos que contrariam ao Evangelho da Graça e a voltarem para o relacionamento de gratuidade com o seu Senhor.

No texto do Apocalipse há o incisivo apelo da volta ao Primeiro Amor: “Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor. Lembra-te de onde caíste, e volta à prática das primeiras obras...”Apc. 2.4-5)

Esses contínuos apelos de retorno à fonte, ao ponto de origem da fé e do genuíno relacionamento com Deus é um perene chamado para voltarmos à fonte de toda a espiritualidade cristã. A GRAÇA DIVINA !


QUÊ PODEMOS ENTENDER POR GRAÇA DIVINA?

Definir as coisas nem sempre é o melhor caminho. Vamos procurar expressar a nossa compreensão sobre a Graça através de algumas imagen s:
. Ato de iniciativa divina conferido de forma incondicional

. Benevolência de Deus para conosco, com o mundo, o seu povo...

. Dom divino através do qual Ele expressa, por sua iniciativa, o seu amor, a sua misericórdia, o seu perdão, a sua longanimidade.

. Deus se relacionando com o ser humano concedendo-lhe o seu amor e as suas dádivas.

. Expressões dos favores divinos são frutos da graça: a criação, a preservação e sustentação da v ida e da natureza, a salvação, a vida eterna e a dádiva do Reino.

. A aliança divina expressa na Bibl.é fruto de sua graça. A própria eleição de Israel descansa sob a graça divina.

. A dádiva de Cristo é a grande manifestação da graça. Através dEle vem a salvação: justificaçã0, reconciliação, justificação, santificação e vida eterna. Neste sentido é a Obra Gratuíta por Deus oferecida a todos (as) de forma incondicional.

. A Graça pode significar todo o Evangelho, toda a boa nova div ina que nosé oferecida gratuitamente.


João afirma que a “graça e a veredade”vieram através do Cristo Encarnado - 1.14-17. Todo o amor divino:doador e perdoador; toda a revelação e conhecimento de Deus concentram-se em Jesus Cristo. Ele é todo Graça. Esta graça perdoa, justifica, santifica e redime. É sem pre uma dádiva, umDOM GRATUÍTO,. IMERECIDO E CONCEDIDO INCONDICIONALMENTE. Toda a iniciativa da Graça está em Deus. A F É . condição para acolhermos a graça e com ela a salvação (justificação, redenção, salvação) é também um dom de Deus. Ela confirma esta gratuidade do amor divino. Desta forma a nossa v ida, como resposta e acolhida a esta graça, deve ser uma manifestação desta gratuidade oferecida a Deus, ao próximo, à Sociedade e ao m undo. “De graça recebeste; de Graça daí”


PELA GRAÇA SOIS SALVOS


A GRAÇA É A BASE E O FUNDAMENTO DE TODO O EV ANGELHO. Não há v ida Cristã sem a Graça divina. João Wesley fundamentou toda a sua teologia e todo o relacionamento da pessoa com Deus, consigo mesmo e com o próximo na GRAÇA. Temos dito que a Graça é o fundamento da doutrin a Wesleyana. Não somente ele, mas a maioria dos teólogos reformadores, pré e pós reformadores dedicam um espaço básico e significativo à Graça divina”

Um dos textos mais clássicos é o de Paulo aos Efésios (2.1-10).


Ele nos afirma que quem nos dá a v ida é Cristo. Deus, segundo a riqueza de sua misericórdia, expressa o seu grande amor para conosco acolhendo-nos gratuitamente em Cristo. Em Cristo, Ele nos dá vida. Uma vida que brota da graça. “Pela graça sois salv os
“Neste ato Deus está mostrando e testemunhando para sempre a “suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, através de Cristo Jesus.

SOMOS SALVOS PELA GRAÇA, não apenas salvos mas santificados. Mediante a fé (Acolhimento da parte humana à Graça divina) A fé crê, confia, aceita,recebe, acolhe, assegura o dom para si. Tudo isso não é ato ou obra de mérito humano. É DOM, DÁDIVA DE DEUS, CONCEDIDA INCONDICIONALMENTE. Não vem de obras, de atos religiosos de piedade ou de misericórdia; de ações religiosas as mais diversas preparadas e oferecidas pelo ser humano; nem de .liturgias, atos cúlticos programados ou informais; nem de sacrifícios, atos, ritos, celebrações, ofertórios os mais diversos...Não.não vem de nós, TUDO É OBRA DIVINA PARA QUE NINGUEM SE GLORIE E PARA QUE HOJE E SEMPRE DEPENDAMOS DA GRAÇA DO SE NHOR

Sem a graça continuamos mortos em nossos delitos e pecados, presos à nossa limitada e frágil condição humana. A redenção humana, pessoal, familiar e social, está centrada na Graça divina.

É DEVIDO A ESSA C\ENTRALIDADE QUE VÁRIOS TEXTOS DO NOVO TESTAMENTO APELAM A UMA V IDA NA GRAÇA. DENTRE ELES DESTACAMOS:
. Ora, o Deus de toda a graça... ele mesmo há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar. ...vos escrevo resumidamdente, exortando e testificando, de n ovo, que está é a genuína graça de Deus; nela estai firme. Por isso cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na Graça que vos está trazida na revelação de Jesus Cristo.

... Antes, crescei na Graça e no conhecimento do Senhor Jesus.( I Pd.5.10-12;1.13; II Pd.3.18)

.Mas pela Graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça , que me foi concedida, não se tornou vã, antes trabalhei muito mais do que todos; todavia não eu, mas a Graça de Deus comigo. (ICO. 15.10)

. Por isso, recebendo nós um reino inab alável, RETANHAMOS A GRAÇA, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor. ... não v os deixeis envolver por doutrinas várias e estranhas, porquanto o que vale é estar o coração CONFIRMADO COM A GRAÇA” ( HB. 12.28;13.9)

Não é só o princípio, mas toda a vida cristã e sua totalidade que necessita e depende da Graça divina.

A presença da Graça divina em nós faz possível uma vida de piedade, intimidade e comunhão com Deus bem como uma vida cristã ativa, responsável, frutífera em nossos relacionamentos com o próximo, a vivência familiar, na vida comunitária do Corpo de Cristo, em nossa v ida profissional e em nosso testemunho missionário dado no contexto da comunidade social.


ENTENDENDO AS DIV ERSAS MANIFESTAÇÕES DA GRAÇA


A Graça é Uma e Una. Isto é : ela é única e, apesar de suas múltiplas expressões é Una.
Todavia, no decorrer da História da Igreja, atrav és da ação do Espírito, nos div ersos movimentos ocorridos no seio da Igreja, pudémos entendê-la sob div ersos ângulos ou perspectivas.

1. Graça Criadora, Sustentadora e Preveniente - ligada à ação do PAI
2. Graça justificadora, salvadora e redentora - ligada a Cristo
3. Graça Santificadora e Consumatória - ligada ao Espírito


Vemos aqui o sentido da Trindade ligada à Graça:Pai, Filho e Espírito Santo.


Na graça criadora Deus partilha o que Ele é com o ser humano e o Universo.Através de sua graça sustentadora, Ele sustenta o universo, a naturesa, a v ida e os seres.
Pela graça Preveniente Deus ama a todos (as) indistintamente, manifestando o seu amor e cuidado às pessoas e à História, independente de ser conhecido ou aceito. Através da graça preveniente Ele manifesta o seu fav or gracioso a todos, desperta e sensibiliza a humanidade a acolher a sua presença.

Na graça justificadora, Deus em Cristo nos reconcilia consigo, restaurando a nossa comunhão com Ele, concedendo-nos o dom da salvação.Em Cristo somos libertados para uma nova vida, através dos seus méritos.

A graça santificadora faz com que o dom da salv ação seja desenvolvido em nós, levando-nos à santificação, atrav és da presença, ação, sustentação, insp;iração e poder do Espírito Santo.

A graça consumatória faz possível ao corpo de Cristo cumprir a Sua Missão, concedendo-nos os dons eos ministérios do Espírito visando equipar, capacitar a todos objetivando a realização do Seu serviço e a edificação do Corpo de Cristo no mundo e permanecer na Esperança da consumação do Reino. É o momento da graça no sentido de crer-se no desenvolvimento da ação consumatória do Reino de Deus.


João Wesley nos deixou este legado da centralidade da v ida cristã na Graça divina. Ele foi quem visualizou e caracterizou tres sentidos identificativos da graça divina:
. A graça Preveniente
. A graça Justificadora
. A graça Santificadora

Isso significa que a ação da graça divina é contínua. Inicia manifestando o amor e a misericórdia divinas a todas as pessoas, sensibilizando-nos para Ele; leva-nos a acolher a graça através do ato da fé em Cristo e a permitir ao Espírito agir continuadamente em nossas v idas pessoas, fam iliares e social, atrav és do processo da perfeição cristã e da santificação.(pessoal e social)


OQUE A GRAÇA DIVINA SIGNIFIC\A PARA NÓS ?

Muitas pessoas tem tentado viver a vida cristã através de si mesmas, confiando em si mesmas, a custa de seus próprios esforços.

Outras pessoas tem buscado uma série de fórmulas, ritos ou méritos visando conquistar a b enevolência divina.

Inúmeras Igrejas e movimen tos religiosos tem descaracterisado a graça em sua expressão e vivência da fé, colocando no centro de sua fé um outro Evangelho.

Somos convidados, à luz da Palav ra de Deus, da vivência da comunidade da fé, da História da Igreja e do conferir de nossos experiências a estudar, reavaliar e reafirmar
a Graça como o elemento central de toda a fé Cristã.

• Acolher a Graça divina em nossas vidas significa viver pela graça, da graça, para a graça e espalhar a presença da graça em todos os nossos relacionamentos humanos e sociais. Significa viver a graça na família,no trabalho, na Igreja, na sociedade, na Missão e em todos os nossos relacionamentos. Esta dimensão de vida traria uma grande revolução à vida humana e todos os seus relacionamentos , inclusive na área da economia.

• Para quem deseja melhor vivenciar, estudar e compreender a Graça divina sugerimos ler e estudar:
1. Maravilhosa Graça - Philip Yancey - Ed.Vida.
2. O Poder Curador da Graça, David Seamands. Ed. Vida
3. A vida Fam iliar transformada pela Graça, Ed. Betania.
4. Viver a Graça de Deus, Walter Klaíb er/ Manfred Marqurdt,Editeo e Editora Cedro.

Voltar


 

Copyright 2006® todos os direitos reservados.